adfpg1-25-10-09Depois de 23 anos de existência e cinco de espera, a Associação dos Deficientes Físicos de Ponta Grossa (ADFPG) chega à fase final da construção da sede própria. O espaço situado no bairro Shangrilá possui cerca de 1.500 m² de área construída e deve atender cerca de 180 associados. O término das obras está previsto para o fim do mês de novembro. No entanto, os problemas com o transporte público e nas vias de acesso ao local causam preocupação aos associados.

 

 

 

A construção do prédio não foi fácil, conforme conta o presidente da Associação, Marco Aurélio Soares. Trabalhando em locais alugados, o sonho da sede própria sempre existiu entre os associados.

Com a doação do terreno, a ideia de iniciarem a construção ficou mais forte. Entretanto, por falta de recursos, o projeto não saiu do papel, e o terreno voltou para as mãos da prefeitura. Somente um ano depois, já com o lote novamente em posse da ADFPG, as obras começaram.

Inicialmente a inauguração estava prevista para o mês de julho, mas a escassez de recursos adiou mais uma vez os planos de mudança. Além disso, ventos fortes danificaram algumas partes da cobertura do prédio, que tiveram que ser reparadas.

“Toda a obra está sendo realizada com recursos próprios, o que atrasou um pouco seu andamento”, salienta o presidente Marco Aurélio. A expectativa agora é de que o novo complexo esteja pronto até o mês de novembro.

O presidente revela que a ideia é ampliar mais a sede. “Estamos concluindo essa etapa e queremos fazer a festa de final de ano já nas novas instalações, mas não pretendemos parar por aí”.

Marco Aurélio afirma que, logo que o prédio da sede seja concluído, um novo projeto será iniciado:a construção de um centro médico. “Queremos construir um espaço destinado a atendimento mais específico, como fisioterapia e fonoaudiologia”.

Entre os associados da ADFPG, é grande a ansiedade pela chegada da nova sede. “Eu sonho com essa alegria para nós todos os dias”, declara Vítor Nascimento Filho.alt