A Associação dos Deficientes Físicos de Ponta Grossa possui sede própria no Parque Shangri-lá do bairro Contorno. No entanto a frente da associação não possui calçadas ou mesmo asfalto na rua.

 

Com isso os associados, cadeirantes ou não, acessam a instituição através de uma entrada improvisada nos fundos da associação pela Rua Prof. Plácido Cardon, entrada que seria supostamente usada pelos ônibus da ADFPG.

O Secretário de Planejamento de Ponta Grossa, João Ney Marçal Júnior, explicou que por enquanto quem é responsável pela construção e manutenção dos passeios é o morador, porém uma nova lei que ainda não foi regulamentada passaria para a Prefeitura a responsabilidade pelas calçadas da cidade.

“Nós estamos fazendo também uma Cartilha dizendo quais são as regras para as calçadas. Constando declividade, os materiais que devem ser empregados, as larguras padrão. De qualquer forma se alguém precisar destas informações nós passaremos mesmo que não esteja pronta”, completa.

A frente da associação, localizada na rua Antenor Lourenço de Oliveira, fica atualmente fechada, servindo de acesso para os ônibus da associação. “Gostaríamos que as pessoas nos ajudassem a fazer uma acessibilidade melhor. Existe muita dificuldade com a falta do asfalto. As pedras judiam muito de quem anda de cadeira de rodas”, afirmou a presidente da associação Maria Liliane de Souza.

“É muito difícil para os deficientes que passam por aqui. Tem muita pedra, furam os pneus. Não sei por que é tão difícil passar um asfalto se a maioria dos moradores concorda em pagar”, disse Márcio Baptista, associado da ADFPG.

O coordenador comercial da empresa gestora do asfalto em Ponta Grossa, Jaime Vassão, afirmou que os moradores devem se organizar e solicitar o asfaltamento da rua formalmente via protocolo na Prefeitura Municipal de Ponta Grossa.