adfpg21031201O Fantasmas, time de basquete para cadeirantes completa um ano e faz jogo amistoso na sexta-feira (23). Com problemas de equipamento, o time se prepara para o Torneio Jamal Farjallah Bazzi, em setembro, na cidade de Ponta Grossa.

cadeirantes3-10-10-11A Associação dos Deficientes Físicos de Ponta Grossa (ADFPG) fez um pedido à Fiscalização Viária para que mais ônibus com elevadores passassem nos arredores da entidade. Entretanto, o ofício foi rejeitado.

Segundo o chefe da Fiscalização, Luiz Eduardo Lemes, aumentar o número de ônibus na linha do Xangrilá não é viável. “O transporte é coletivo, não individual. Se atendermos a um pedido desses, o serviço deixa de ser coletivo e passa a atender interesses particulares”.

O número de ônibus por linha é calculado através do Índice de Passageiros por Quilômetro (IPK).  “A partir do número de passageiros típicos, que são os que utilizam o transporte coletivo frequentemente (trabalhadores e estudantes), definimos o número de ônibus por linha”, afirma Lemes.

Lemes afirma ainda que, para aumentar o número de ônibus sem que haja aumento do número de passageiros, é necessário que se eleve o preço da passagem. “Se não tem demanda, não é viável aumentar o número de linhas. Se isso acontecer é o passageiro quem vai ter que pagar”.

No Brasil, desde 2006 não são mais fabricados ônibus urbanos sem plataforma para elevadores. Entretanto, as companhias de transporte público coletivo têm até 10 anos para renovar suas frotas.

Com isso, não é possível exigir que todos os carros de transporte público em circulação em Ponta Grossa sejam adaptados para portadores de deficiência. Segundo Lemes, até 2014, todos os ônibus de circulação urbana terão que ser adaptados. “Até lá, as empresas têm o direito de ter apenas parte da frota adaptada”.

EDITORIAL: Mais pagantes, mais linhas

Bloco anterior: Cadeirantes reclamam que elevadores nos ônibus não funcionam

acessibilidade1-20-09-11Uma das principais reclamações das pessoas com deficiência física é a falta de estrutura em ruas e estabelecimentos para tornar real a Norma de Acessibilidade. Mesmo assim, entre outros problemas está a falta de respeito em vagas de estacionamento.

Manutenção também é importante

Falta de fiscalização e consciência dos motoristas

Acessibilidade a todos

EDITORIAL: Infelizmente, acessibilidade é norma

adfpg-04-08-11Nem o frio ou a chuva conseguiram desanimar as festividades na Associação dos Deficientes Físicos de Ponta Grossa (ADFPG), que aconteceu no último sábado, dia 30. Começando às 14h em meio à garoa, a festa reuniu mais de 300 pessoas, segundo a presidência da associação.

adfpg29-111Com a nova sede pronta e oficialmente inaugurada, o próximo passo da Associação dos Deficientes Físicos de Ponta Grossa (ADFPG) é a construção de um centro de reabilitação. O projeto já está pronto, falta somente adequá-lo ao terreno que tem cerca de 450 metros quadrados.