ama1-06-05-11A Associação Mãozinhas de Anjo (AMA) passa a adotar novo formato nas suas visitas aos hospitais. Agora vestidos de anjos, e não mais de palhaços, os integrantes da AMA buscam consolidar identidade da Associação.

 A Associação Mãozinhas de Anjo (AMA) mudou o figuro dos voluntários que participam nas atividades da entidade. Agora, vestidos de anjos, substituem o visual de palhaços usado até o começo do mês de março.

“Estamos buscando enfatizar o nome e propósito da AMA, pois queremos ser anjos nas vidas das crianças que atendemos”, comenta Edla Velga Martins, presidente da entidade Mãozinhas de Anjo.

Edla lembra que existem vários grupos do gênero que se caracterizam de palhaços assim como a AMA fazia até certo tempo, o que em alguma medida atrapalhava a projeção da Associação pelo fato de que a entidade era confundida com outros grupos.

ama2-06-05-11A primeira visita a um hospital com o grupo já caracterizado de anjo aconteceu no dia 20 de março. “Estavam nos confundindo e temos que levar em conta que cada grupo tem seu perfil. A aceitação foi maravilhosa, tanto por parte dos voluntários da AMA como por parte das crianças”, aponta.

A presidente da AMA alega que uma dificuldade anterior consistia no fato de que algumas crianças têm medo de palhaços, o que afetava o trabalho da entidade.

“Agora as crianças não têm mais medo. Nos apresentamos como anjos alegres e não usamos mais a expressão marcante dos palhaços que assustavam as crianças. Se a criança se assusta toda a preparação e objetivos da visita se perdem”, assevera.

Rosemari Pires, avó do pequeno Pietro, conta que uma visita da AMA com o novo visual fez toda a diferença quando seu neto estava internado. “Eu disse para o Pietro: acorda Pietro que os anjinhos estão chegando! E nisso, elas apareceram vestidas de anjo, conversaram conosco, cantaram e fizeram uma oração muito linda, foi emocionante e confortador”.

ama3-06-05-11Rosemari, que até então não conhecia o trabalho da AMA, diz que claramente se percebe o cuidado e a dedicação com que os integrantes da entidade trabalham.

Outros desafios da AMA para 2011 são a mudança do site da entidade, visando se adequar ao visual angélico adotado no figurino e os planos de visitação e auxílio sistemático das crianças assistidas em suas casas. “Precisamos de um batalhão de pessoas. Precisamos de anjos para fazer esse trabalho”.

Edla declara que a AMA tem como meta atender pelos menos 10% das famílias cadastradas. A Associação possui um cadastro de mais de duas mil crianças.

Veja também: Crianças hospitalizadas de Ponta Grossa contam com anjos da guarda