ama3-21-08-11Ruan Luiz Romualdo da Cruz tem 10 anos e mora no Jardim Maracanã com a mãe e a irmã. Ele tem hidrocefalia, doença que foi adquirida como sequela de uma toxoplasmose.

Foi no Hospital da Criança que Ruan e sua mãe, Fabiana Marçal, conheceram os voluntários da AMA, que apoiaram a família quando ele teve que passar por algumas cirurgias. Mas o trabalho da entidade não parou por aí.

A mãe do menino, que possui apenas a renda do trabalho em uma escola para jovens especiais, recebe visitas e ajuda dos membros da AMA há quatro anos. “Estão sempre ligando pra saber do Ruan, vêm nos visitar, ajudam com cesta básica e doam roupas para eu vender no bazar e assim poder pagar o terreno em que a gente mora”, afirma.

Fabiana garante que considera as pessoas que ela conheceu da entidade como suas amigas. “Elas fazem sempre mais do que se espera. Às vezes estamos no buraco por causa das dificuldades e só com uma conversa elas sabem nos animar. É uma ajuda realmente muito especial".

Além dos gastos que Fabiana tem por conta da doença de Ruan, há também a alimentação, que tem que ser especial e por isso é mais cara. “Eu dou para meu filho o que eu posso comprar, e o pessoal da AMA sempre me ajuda quando pode”.

Ainda este ano, Fabiana pretende mandar fazer um muro em volta de sua casa para garantir mais proteção aos filhos, e quer conseguir isso com o dinheiro que ganha no bazar de roupas doadas pela Associação. “No Natal, Ano Novo, Dia das Crianças, na data que for, elas estão sempre se lembrando da gente”.

Próximo bloco: AMA garante apoio para pacientes em suas necessidades físicas

Bloco anterior: Projetos futuros, auxílio presente