Seminário de esportes adaptados reúne paratletas e estudantes de educação física

Seminário promoveu a prática do esporte adaptado para demostração

 

O seminário organizado pelo curso de Educação Física, bacharelado e licenciatura, do colégio e faculdade Sant’Ana reuniu comunidade acadêmica e convidados para conhecer o mundo dos paratletas. O evento foi dividido em sessões, com espaço específico destinado a cada esporte adaptado. Alunos explicavam como as modalidades funcionavam, tendo uma área para a prática do esporte.


Como é ser um paratleta

“Pensei comigo mesmo, por que eu não posso tentar?”, relembra Rafael Schwab, paratleta recordista na categoria F34 da modalidade peso e dardo. Rafael sofreu um acidente há trinta anos e através de um amigo encontrou no esporte adaptado uma nova forma de viver.

“O importante é a amizade, além da esportividade, a gente cuida um do outro”, afirma. O auxiliar técnico, Luiz Carlos, conta que eles formam uma equipe, o que não deixa os participantes desanimarem. Entretanto, ele enfatiza que a maior dificuldade é patrocínio. “As empresas não olham pra gente”, realça.

Cristofer Camargo, paratleta, foi perdendo a visão aos poucos e hoje não consegue mais enxergar. “O esporte ajuda a descobrir outra vida, incentivo e convivência são importantes”, relata.

Todos os paratletas, presentes no evento, integram a Associação dos Pais e Amigos dos Deficientes Visuais (APADEVI). São mais de 15 atletas que treinam e competem, tendo uma rotina de atividades esportivas, o que inclui fazer academia.

a imagem mostra um paratletra demostrando a categoria de futsal adaptado
O paratleta Cristofer continua praticando esportes, mesmo depois de perder a visão

 


A importância do estudo acadêmico

Foi a primeira vez que o seminário ocorreu e a expectativa é a de que novas edições ocorram futuramente. A professora responsável, Maria Cristina, conta que o evento faz parte da matéria educação física inclusiva, oferecida pelo curso de licenciatura da Faculdade Sant’Ana e também integra a grade curricular de esportes adaptados do bacharelado. O objetivo do evento é “mostrar como o educador físico e o paratleta podem trabalhar juntos”, comenta.

O aluno envolvido, Anderson Luiz, conta que acompanha o treinamento na academia de vários paratletas, como é o caso do próprio Rafael. “É um aprendizado enorme, eu me divirto com eles”, afirma. Anderson relata a força de vontade de cada um em continuar vivendo o melhor que pode e de como isso deveria ser repassado para a sociedade. “São exemplos de superação”, complementa.

O seminário aconteceu no ginásio do Colégio Sant’Ana no último mês de junho, o próximo está previsto para ano que vem.

a imagem demostra um aluno ensinando o esporte adaptado de basquete de rodas para um participante do evento
O objetivo do seminário era também desmonstrar a importância do esporte adaptados para o alunos do curso de educação física, bacharelado e licenciatura
Veja também
24/02/2016: Acessibilidade e políticas públicas para deficientes são tema de TCC no curso de Jornalismo da UEPG

 

 

 

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar