O tempo perdido esperando respostas dos bancos tem irritado os trabalhadores do setor. Para o sindicato, há um desrespeito em relação às reivindicações dos bancários. 

No último dia 11, dois dias após a manifestação contra assédio moral em frente a uma agência do Banco do Brasil, a diretoria do Sindicato dos Bancários de Ponta Grossa se reuniu com a gerência local do banco para estabelecer um diálogo e apresentar aos gestores as reclamações dos trabalhadores. Negando prontamente as acusações do sindicato e prometendo avaliar a situação, o banco saiu pela tangente, e a diretoria do sindicato ficou sem resposta.

Procurada pelo Portal Comunitário, a diretoria local do Banco do Brasil não pôde dar depoimentos sobre a manifestação nem sobre as acusações do sindicato. O sistema interno de diálogo para esclarecimentos não autoriza que gestores locais e regionais falem em nome do banco.

Não é a primeira vez que esse tipo de situação acontece, informa o presidente do sindicato, Gilberto Lopes Leite. “Costuma ser assim em toda rede bancária”, revela.

Gilberto acredita que o desrespeito dos bancos em relação às reivindicações sindicais é um desserviço à população em geral. “Os bancos poderiam ser mais úteis à socidade”, afirma.

Sindicatos de todo o país realizaram na última terça, dia 30, uma série de manifestações em frente a agências do Banco do Brasil, contra a redução de salários e reivindicando melhores condições de trabalho.

Arquivo Comunitário
09/04/2013 - Bancários reivindicam melhores condições de trabalho no Banco do Brasil