Sindicato trava negociação para que funcionários não sejam desviados de função e transferidos de cidade

Plano de reestruturação do Banco do Brasil prevê redução do número de agências em Ponta Grossa (Foto: Marcos Vinicius)

Com o anúncio de fechamento de agências do Banco do Brasil (BB) em Ponta Grossa, Sindicato do Bancários cobra manutenção dos direitos dos trabalhadores. A medida, que integra plano de redimensionamento da estrutura da rede, foi divulgada no final de novembro. A proposta inclui redução do número de agências e projeto de incentivo à aposentadoria para até 18 mil funcionários.

A rede de atendimento passará por mudanças com otimização de estruturas e ampliação de serviços digitais, segundo informações do próprio banco. Será feito o encerramento de 31 superintendências regionais, 402 agências e a transformação de outras 379 em postos de atendimento bancário.

Gilberto Lopez Leite, presidente do Sindicato dos Bancários de Ponta Grossa, relata que foi marcada, imediatamente após o anúncio de reestruturação, reunião com o banco em Brasília e outra com o superintendente regional. “Esclarecemos dúvidas oriundas do funcionalismo e do  futuro profissional. Em Ponta Grossa, será fechada a agência da Ernesto Vilela”, relata.

Outra pauta da reunião, segundo Gilberto, foi a cobrança da realocação dos funcionários na mesma cidade, bem como a manutenção da mesma função ou em cargos similares.

Também foi cobrada a garantia da remuneração que o funcionário vinha recebendo. “O Sindicato vai trabalhar essa questão para que diminuam os possíveis impactos negativos que essa reestruturação possa gerar”, ressalta.

Com a reorganização das unidades, o BB estima redução anual de R$ 750 milhões em despesas, valor que poderá aumentar a partir da adesão de funcionários ao Plano Extraordinário de Incentivo à Aposentadoria.

O Banco vai focar no atendimento por canais digitais e prevê a abertura, em 2017, de mais 255 unidades de atendimento digital, entre escritórios e agências digitais. Esse número irá se somar às 245 já existentes.

Segundo dados divulgados pelo banco, em comparação com o modelo tradicional, os clientes do atendimento digital mostram-se mais satisfeitos e consomem até 40% mais produtos e serviços bancários.

O correntista Antônio Trajano diz que prefere as agências físicas e não confia nas agências virtuais. Para ele, é muito mais fácil ocorrer fraude. Já o cliente do Banco do Brasil, Júnior Garcia de Oliveira, diz que  usa os dois sistemas. No entanto, o atendimento virtual é utilizado mais para ver o saldo ou agendar pagamentos.

Gilberto Lopez enfatiza que o Sindicato tem como compromisso acompanhar, no dia a dia, todo o processo e cobrar do Banco do Brasil as medidas que demonstrem vagas existentes ou abertas que possam beneficiar e realocar todo os funcionários não só de Ponta Grossa, mas também no âmbito nacional.

 

Arquivo Portal Comunitário

14/09/2016 - Greve tem adesão de todas as agências bancárias de Ponta Grossa
21/10/2015 - Para Sindicato dos Bancários, donos de bancos desvalorizam funcionários e clientes

 

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar