O documentário "Doze meses de resistência: A terra como horizonte de vida" será lançado oficialmente neste sábado, dia 08/07, às 18h, no Acampamento Maria Rosa Do Contestado (MST), em Castro.

Mídias populares

Apresentação

Na tentativa de reduzir o problema e também como resposta ao pedido de instalação de uma unidade de saúde, a Prefeitura de Ponta Grossa entregou no dia 23 de fevereiro de 2007, à então presidente da associação de moradores da comunidade, Nevair de Jesus Gonçalves, um veículo do modelo Kombi para que fosse utilizado no transporte dos enfermos em casos de emergência.

No entanto, a Prefeitura não se responsabilizou pela manutenção do veículo e nem pela isenção das taxas de legalização, o que fez com que a kombi entrasse em desuso. “Eles nos deram este carro, porém não se comprometeram a pagar as taxas de licenciamento e nem ajudar com gastos com pneus e manutenção, desta forma só nos trouxeram mais dividas”, diz Nevair.

De acordo com ela, o veículo está com a documentação atrasada desde o fim de sua gestão em 2010, além disso, o seu funcionamento está prejudicado devido ao mau funcionamento da bateria. “O veículo deveria servir para transportar o pessoal em caso de emergência, mas hoje nem sai da garagem; até anda, mas está com problema na bateria e com a documentação atrasada”.

Segundo a supervisora de Gestão de Saúde de Ponta Grossa, Paola Caoloda, para a instalação de uma Unidade Básica de Saúde (UBS) é necessária uma demanda de 4.500 pessoas que vivam na região. “Já houve a intenção de instalar uma Unidade Básica que seja usada apenas como um local para armazenar os equipamentos das equipes de saúde, mas isso permanece anônimo para a secretaria”, diz Paola.

Entrega da Kombi

Leia também:

Falta  de posto de saúde prejudica atendimento na Comunidade quilombola sutil
Hipertensão e diabetes são as doenças mais comuns entre os quilombolas
 EDITORIAL: Política elitista planta descaso com a periferia e comunidades abastadas e rurais