O documentário "Doze meses de resistência: A terra como horizonte de vida" será lançado oficialmente neste sábado, dia 08/07, às 18h, no Acampamento Maria Rosa Do Contestado (MST), em Castro.

Mídias populares

Apresentação

Em Ponta Grossa, já foram atendidos 47 projetos pela Caritas com o Fundo da Solidariedade Diocesano (FSD). Grupos como os Doutores da Alegria e Astrama já foram contemplados com os recursos.

Além da cidade sede, a diocese de Ponta Grossa ainda atende Castro, Carambeí, Piraí do Sul, Ventania, Ivaí, Guamiranga, Imbituva, Ipiranga, Irati, Teixeira Soares, Fernandes Pinheiro, Reserva, Tibago, Telemaco Borba, Imbaú e Ortigueira.

As entidades regionais que quiserem se inscrever no fundo da Diocese de Ponta Grossa devem se submeter ao edital de nível nacional e encaminhar para a cáritas que fica na rua Coronel Dulcídio numero 637.- Confira o edital AQUI

SOS, Os Doutores da Alegria
A “Organização Doutores Palhaços SOS Alegria” tenta diminuir o sofrimento de pessoas que estão internadas em hospitais da cidade, principalmente das crianças. Atualmente, o projeto tem 62 voluntários, sendo 32 palhaços e 30 integrantes da diretoria. A iniciativa, de Michele e Bruno Madalozo, surgiu em 2008 no hospital da criança e, hoje, atende nove hospitais, sendo um de Castro, duas vezes por semana.

Para a assistente social Erika Schemiguel, o apoio da Cáritas foi um subsídio que ajudou muito a ONG. “Sentimo-nos aliviados, porque a ajuda veio de onde não esperávamos”, afirma. A verba repassada será investida na capacitação dos voluntários para atuarem como palhaços nos hospitais.

ASTRAMA, tijolos ecológicos
O Astrama surgiu em 2008, na Igreja São José, com a iniciativa do diácono Peti e do padre Agostinho. O projeto ajuda egressos da penitenciaria, por meio da fabricação e venda de tijolos ecológicos e móveis. No inicio, 12 pessoas formavam o grupo. Atualmente, são oito pessoas. São fabricadas 1.500 peças por dia, em um grupo de cinco pessoas.

Edmilson Silva, presidente do Astrama fala que é uma luta para crescerem juntos. Silva diz que o incentivo da Cáritas ajuda o projeto e as pessoas que estão envolvidas nele.

Porém o presidente, que está no projeto desde o começo, aponta o desconhecimento da população sobre o trabalho feito. “Nós estamos há quatro anos aqui e a cidade não conhece o tijolo ecológico”, completa.

“Ide e fazei discípulos em todas as nações”, por uma igreja jovem

Arquivo comunitário:
02/04/2013: Astrama se desvincula da Paróquia São José

18/09/2012: Astrama produz móveis sob encomenda