No Centro de Convivência do Idoso foi colocada a placa de identificação da Unidade Dr. José Carlos de Araújo. Dentro da parte utilizada pelo posto, divisórias, em compensado pintados de verde, formavam cinco pequenas salas e uma área de espera.

O posto, que atende cerca de 24 pessoas por dia, não podia realizar, em sua sede provisória, alguns dos trabalhos oferecidos por uma unidade básica de saúde. A enfermeira Karin Patruni, que trabalha no local, contou que, na unidade, são realizados exames preventivos, coleta de sangue, entrega de medicamentos e materiais, mas que não é possível aplicar vacinas e fazer curativos, pois o ambiente não refrigerado é inadequado.

Segundo a presidente da associação de moradores do bairro, Eliziane Magalhães, quem precisa dos serviços indisponíveis no posto do Cará-Cará tem que se deslocar para outras unidades de saúde. É o caso do posto localizado no bairro Maria Otília, um dos mais procurados por sua proximidade. [planejamento que estava previsto para os atendimentos que necessitassem de maior atenção, de acordo com o coordenador de Atenção Primária da SMS.

“Tem criança com vacina atrasada. Mães que têm duas crianças pequenas e, às vezes, não têm como pegar um ônibus e ir até o Maria Otília só pra dar vacina. É uma questão de conforto e mobilidade para a comunidade”, relata Eliziane.

Questionado sobre a questão da vacinação, o coordenador Robson Xavier destacou que, tão loga  a unidade reabra, toda a população terá acesso às vacinas normalmente.

Prefeitura promete terminar reforma do posto do Cará-Cará ainda em julho
Comunidade se mobiliza para exigir reabertura do postinho