A deficiência intelectual é caracterizada por limitações adaptativas em pelos menos duas habilidades, que se desenvolvem na infância e adolescência. De acordo com o IBGE, existem mais de 2,6 milhões de brasileiros que têm algum tipo de deficiência intelectual.

A Assarte se define “como uma sociedade civil, filantrópica, de caráter cultural, assistencial e educacional, sem fins lucrativos, que trabalha com pessoas com deficiência intelectual”.

A entidade trabalha o ensino fundamental com jovens e adultos. A separação de turmas é definida por níveis de dificuldade de aprendizagem.

Segundo Silmara Carneiro, há alunos que ainda não conseguem desenvolver uma coordenação motora para escrever o próprio nome. Entretanto, há aqueles que estão em um nível mais alto de desenvolvimento intelectual, ou seja, possuem uma menor dificuldade na aprendizagem e conseguem ser alfabetizados.

A instituição oferece trabalhos manuais para os alunos com um grau maior de deficiência. Segundo a diretora da instituição, Marília Veiga, as terapias ocupacionais contribuem para desenvolver o intelecto do deficiente.

Esse tipo de atividade complementa a pedagogia de ensino. Em uma dessas terapias, alguns alunos podem descobrir ou desenvolver alguma profissão. Para essas atividades são ministradas aulas como pintura, bordado, crochê, marcenaria, confecção produtos, culinária, entre outras.

Acompanhamento é realizado com os alunos através de avaliações frequentes dos processos de alfabetização e de socialização para verificar se o aluno está apto a entrar no mercado de trabalho.

Veiga explica que esses processos são realizados a fim de possibilitar o encaminhamento dos alunos da Assarte para o ensino médio ou para o mercado de trabalho. A maioria dos ex-alunos trabalha hoje em supermercados e no comércio da cidade.

A pedagoga Silmara Carneiro conta que, muitas vezes, alguns alunos se queixam de preconceito que sofreram na sociedade. Para tentar vencer esse obstáculo a escola se utiliza de psicológicos para oferecer um acompanhamento do desenvolvimento social e evitar problemas psíquicos.

 Deficientes intelectuais desafiam preconceitos da sociedade e superam limites

Desconhecimento e negligência por parte dos pais podem comprometer a inserção social