No Novo Plano Diretor de 2016, está a discussão acerca da construção de ciclovias e ciclofaixas em Ponta Grossa.

O 3º Ciclo de Palestras foi o encontro realizado em setembro passado com o objetivo de revisão do plano diretor 2016. O evento foi promovido pela prefeitura e pelo Iplan e propôs possíveis soluções para o trânsito de bicicletas no município.

O objetivo das palestras foi o de estimular novas ideias que propiciem formas de desenvolvimento aliadas à preservação cultural e ambiental, bem como à equidade social.

O Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano (Iplan) apresentou um plano no qual as ciclovias estão divididas em sete fases. Pela proposta, quando o plano for finalizado, a cidade vai ter 100 quilômetros de ciclovias e ciclofaixas.

As sete fases foram divididas de acordo com a importância e com o grau de segurança da via. As vias mais perigosas e as vias que já têm mais movimentos de ciclistas vão ser as prioritárias.

No projeto do novo Parque Ambiental também estão previstas ciclovias e passeio para pedestres aproveitando a declividade do antigo traçado da estrada de ferro, segundo a arquiteta do Iplan, Jamile Salim.

A busca pela mobilidade sustentável, com o estímulo ao uso da bicicleta, se tornou obrigação com promulgação da lei 12.587 de 2012, que institui as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana.

A lei federal estabeleceu o prazo de três anos para as cidades apresentarem projetos de mobilidade sustentável. No caso de não terem definido um plano, as cidades não recebem mais recursos federais para obras de trânsito.

Próximo bloco:

Ciclovias são praticamente inexistentes nas principais cidades do estado

Arquivo Comunitário:

03/12/2013 - Projeto da construção de ciclovias não saiu do papel