No Brasil, as principais causas de acidentes são a imprudência e o excesso de velocidade. Na Avenida Souza Naves, perímetro urbano da BR 373, não é diferente. A velocidade máxima permitida é de 60 quilômetros por hora, mas os moradores da região relatam que dificilmente os motoristas respeitam esse limite.

“A maioria só diminui quando está perto de radar ou nas poucas lombadas que existem. São raros os que andam dentro do limite permitido”, relata o morador do bairro Sabará, Carlos Kalatai.

 

A probabilidade de uma pessoa morrer em um atropelamento aumenta consideravelmente dependendo da velocidade. Em um atropelamento em que o veículo está acima de 80 km por hora, a morte do pedestre é praticamente certa, segundo o Detran.

 

Em 2014, o balanço feito pela concessionária aponta números alarmantes de acidentes. Foram 181 no trecho da Souza Naves, dando uma média de 45 acidentes por mês.

“Já teve períodos de ter morrido cinco pessoas ao mês na Souza Naves. Claro que passa alguns períodos sem falecer ninguém, mas são inevitáveis essas tragédias nas condições que se encontra a rodovia”, expõe Mioduski.

No Paraná, o maior índice de multas é fica por conta do excesso de velocidade. O Detran registrou mais de 3 milhões de multas aplicadas em 2014 em todo o estado, sendo que 1 milhão por trafegar acima da velocidade permitida nas vias.

 

Nas rodovias que passam por Ponta Grossa, nos últimos cinco anos, 109 pessoas perderam a vida nos trechos da Avenida Souza Naves (BR 373), Avenida Presidente Kennedy (BR376) e na PR 151.

Seu Paulo Kempa, dono de uma oficina mecânica instalada às margens da Souza Naves, observa o tráfego pesado e conta que os veículos passam em velocidade bem acima da permitida na via.

 

“Não há respeito nas sinalizações. A única coisa que os obriga a parar é a construção de lombadas físicas e não essas lombadas eletrônicas que querem colocar. Eles param em cima do medidor de velocidade e depois aceleram novamente”, explica Kempa.

 

Segundo a CCR Rodonorte, não é permitida a construção de lombadas físicas no trecho devido a cláusulas no contrato e à legislação para rodovias federais. A instalação de radares é de responsabilidade da prefeitura.

 

Obras privilegiam os veículos e não atendem as demandas dos pedestres

Avenida Souza Naves ganhará obras para diminuir número de acidentes