A liberdade religiosa é direito garantido pela constituição federal. Mas por onde passam, os praticantes de religiões afro-brasileiras sofrem com o preconceito da sociedade. Anice conta que já recebeu muitos comentários ofensivos devido às suas crenças. "Eu já chorei muito por me chamarem de macumbeira".

{audio}http://www.portalcomunitario.jor.br/images/audio/2015/Cacique_10-09-15.mp3{/audio}

Adeptos de religiões afro-brasileiras sofrem com intolerância religiosa

Discriminação está presente na sociedade desde a origem das religiões afro-brasileira

 

O preconceito pode ser enquadrado em um processo penal através da Lei no. 7716 de 1989. Essa lei regula os crimes de racismo, que englobam a discriminção religiosa. "O conceito de racismo não está simplesmente ligado à raça, é qualquer forma de preconceito, seja ele por origem, cor, etnia e mesmo religião", afirma o professor do  Departamento de Direito das Relações Sociais da UEPG, Volney Campos.

O artigo 20 da lei de racismo cita: "Constitui crime de racismo praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional". A pena para quem pratica esse crime pode chegar a cinco anos de reclusão.

Para Emanuele, a melhor forma de superar esses preconceitos é buscando o autoconhecimento. "Uma vez que a gente conhece a si mesmo, conhece a sociedade, tem um pouco mais de instrução e de elementos pra trabalhar com isso, a gente pode tornar esse processo consciente". Através da conscientização, os preconceitos podem ser repensados, afirma a psicóloga.

Dona Tânia e o Cacique Pena Branca participam de fóruns e congressos na intenção de quebrar o preconceito e levar informação às pessoas que não conhecem a religião. Lorene propõe um método parecido: tentar conhecer melhor as crenças. "Eu tinha um certo receio. E quando eu comecei a ler, eu não só deixei de ter preconceito como me identifiquei com a religião", afirma.

Adeptos de religiões afro-brasileiras sofrem com intolerância religiosa

Discriminação está presente na sociedade desde a origem das religiões afro-brasileira