O Papai Noel se fez presente nas comemorações da SABCPB - Foto: Matheus Dias

A Sociedade Afro-Brasileira Cacique Pena Branca (SABCPB) promoveu no último sábado, dia 19, as comemorações de Natal para as crianças da comunidade. A festa, que acontece há 25 anos, encerra as atividades da entidade em 2015.


Dezenas de crianças e mães compareceram à comemoração para festejar o Natal. Havia cachorro quente, bolo e refrigerante para todos os presentes, mas as crianças estavam mesmo era concentradas nos presentes que seriam distribuídos pelo Papai Noel. Elas tiveram que esperar até a chegada do bom velhinho para poder abrir os tão cobiçados pacotes arrecadados pela SABCPB e distribuídos gratuitamente aos pequenos.

Quem interpretou o Papai Noel, o Homem Aranha e o palhaço Picolé, personagens que entreteram as crianças durante toda a tarde, foi o artista circense Robert Salgueiro. Para ele, foi uma alegria poder colaborar com a felicidade dos pequenos por pelo menos uma tarde.

Eu fico muito contente. Para mim é uma alegria enorme poder ajudar no espírito de Natal e ver no rosto desses meninos e meninas uma felicidade sincera”, acrescenta.

Três caixas cheias de presentes estavam à disposição do Papai Noel, que distribuiu os brinquedos às crianças: uma com brinquedos masculinos, uma com femininos e uma caixa de bolas de futebol, estas foram distribuídas a crianças de ambos os sexos.

“A chuva atrapalhou um pouco, mas pra gente é uma grande satisfação dar presentes para essas crianças e fazer o Natal delas um pouco mais feliz. Nós esperamos poder continuar fazendo isso por muitos anos”, afirmou a presidente da SABCPB, Tânia Mara Batista.
Adriane Assis, a mãe de uma das crianças que brincaram com o Papai Noel, estava satisfeita por ver o filho brincar feliz. “Esse Papai Noel convence bem! É uma ótima iniciativa o que eles fazem aqui e ver essa criançada pulando feliz”, conclui Adriane.

 

Arquivo comunitário

06/11/2015 - Cacique Pena Branca promove jantar para arrecadar fundo para ação contra preconceito

10/09/2015 - Preconceito religioso configura crime de racismo, mas pode ser superado