Desde dezembro passado, o posto de saúde Nilton Luiz de Castro, localizado na Av. 14 Bis, está em obras. O atendimento foi transferido para o Centro de Acolhimento do Idoso, a uma quadra do prédio em reformas.

Sem instalações adequadas, o posto não fornece vacinas para a população. Além de não ter uma sala exclusiva para esse fim, exigida pela vigilância sanitária, o local não dispõe de um refrigerador para guardar as ampolas de remédio.

De acordo com uma funcionária que não quis se identificar, o prazo original para a entrega das obras era de quatro meses. Além disso, ela lembra que o local não tem acesso a internet.

A falta de acesso à rede dificulta o encaminhamento de pacientes, que depende de um sistema online. A única maneira de fazer essa comunicação é ir até outra unidade de saúde. “Nós tentamos atender normalmente, mas a estrutura é precária. Não temos cozinha, banheiro, as salas são simples”, relata.

Três médicos atendem cerca de 24 pacientes por dia na unidade. Dois dos profissionais são cubanos, contratados pela Prefeitura de Ponta Grossa através do programa ‘Mais Médicos’. O atendimento acontece das 6h até às 18h, de segunda a sexta.

A dona de casa Maria Bueno Carvalho, hipertensa e diabética, relata que no posto também faltam remédios. Ela precisa ir até a unidade de saúde do bairro Maria Otília, 5,5km distante, para fazer o tratamento. “É difícil chegar até lá, às vezes perco o ônibus e preciso cruzar a BR. Com criança pequena, fica difícil”.

Os pacientes foram orientados a procurar os postos de saúde do Parque Sabiá, a 2,7km de distância, e do Borsato, a 2km. Segundo a Coordenadora da Região Sanitária de Oficinas da Secretária Municipal de Saúde,  Regina Rodrigues, o novo prazo para o término das reformas é o final de setembro. 

Inicialmente, as obras deveriam estar prontas no final de Julho, mas devido a problemas com a empreiteira, foram realizadas trocas de funcionários para a agilidade no trabalho. Com o fim das obras, a Unidade Básica de Saúde terá seu espaço ampliado para se transformar em uma unidade de Saúde da Família.