Apesar de ser o terceiro bairro mais populoso de Ponta Grossa, o Cará-Cará não dispõe de espaços públicos para socialização e lazer. Os poucos espaços existentes na comunidade foram desativados ou utilizados para outras construções. A Prefeitura afirma que não há previsão de obras para o bairro.

27 mil pessoas moram no bairro do Cará-Cará, na periferia de Ponta Grossa. Mesmo com toda essa gente, a região não dispõe de um local adequado onde os habitantes possam conversar, praticar esportes ou simplesmente se reunir. Sem espaços públicos de lazer, a comunidade pede uma intervenção da atual administração municipal (Prefeitura).

A presidente da Associação de Moradores do Cará-Cará, Elisiane Ferreira Magalhães, conta que, apesar de promover ações de incentivo para atividades físicas e a socialização dos moradores, existem limitações.

“Limpamos os terrenos baldios, mas não temos como erguer um espaço. A Prefeitura deveria averiguar um espaço adequado que possibilitasse a construção de uma praça ou um campo de futebol”, diz.

O único campinho de várzea do bairro foi destruído para a construção de uma escola. “A gente entende que educação é importante, mas poderiam ter pensado um outro lugar para colocar o campo, e não apenas retirá-lo”, avalia. E, “também sabemos que a escola terá uma quadra esportiva, mas dificilmente será aberta a comunidade”, lamenta Elisiane.

Outro espaço que deixou de existir no Cará Cará foi a academia ao ar livre.  Moradora do bairro, Zeneide Leoncio reclama que os equipamentos, voltados principalmente para a terceira idade, foram retirados do local.

“Sinto muita falta. Todos os dias eu ia até lá. Emagreci, não tinha mais dores no corpo, mas agora voltou tudo. Fiquei muito chateada”, conta. Zeneide, lembrando que o lazer deve ser prioridade, uma vez que ajuda na saúde da população.

Para Orlando Hennemberg, funcionário do Departamento de Urbanismo da Prefeitura de PG,  o número de pedidos feitos por moradores para a ampliação dos espaços de lazer aumentou com o crescimento da cidade.

“Analisamos os projetos e, se for viável, organizamos um orçamento em busca de recursos para regulamentação das obras”, explica. No entanto, apesar das solicitações dos residentes do bairro, Hennemberg relata que a prioridade atual em relação ao lazer é o centro da cidade, como as reformas no Complexo Ambiental. E, além disso, não existem obras previstas para o Cará-Cará.