Os moradores da região também solicitam a instalação de mais passarelas

A Avenida Souza Naves, localizada no bairro Chapada, em Ponta Grossa, ainda gera muitos contratempos para aqueles que a utilizam. Motoristas e moradores reclamam constantemente da situação na qual o trecho se encontra. A ausência de retornos para os veículos e as poucas passarelas para os pedestres são as principais queixas.


O movimento intenso de veículos prejudica o acesso aos bairros e ao comércio da região. Fazer a travessia torna-se difícil para os motoristas, principalmente para os veículos maiores, que representam boa parte do tráfego da região.

O motorista de caminhão, José Serafim, reclama da infraestrutura do local, que atrapalha seu trabalho. “Eu fui fazer o retorno em frente à oficina mecânica Nicosa, na Vila Romana, e acabei ficando mais de duas horas ali”, reclama. É impossível de passar, sem chances”.

As quase 30 comunidades que ficam no entorno da rodovia também sofrem com a falta de infraestrutura, principalmente aquelas depois da Vila Borato. Passando esse trecho, não há mais canteiro central que divide as pistas, tornando a travessia ainda mais perigosa.

A moradora da Vila Real, Tereza Carneiro, relata como atravessa diariamente a pista para chegar ao seu trabalho. “Há dias em que eu fico quase 15 minutos para atravessar a BR quando estou indo para o serviço”, relatou.

Para Tereza, se faz necessária a construção de outra passarela na região. “Falta uma passarela aqui perto. Tem uma que fica mais para frente, que é contramão para mim. Daí não compensa”.

Obras com medidas paliativas na região foram anunciadas em outubro do ano passado. Um retorno e canteiro central entre as Vilas Borato e Romana seriam construídos, porém nada foi visto até agora. A Prefeitura de Ponta Grossa, que anunciou a obra, prometeu gastar R$ 1,8 milhões.

A responsabilidade pela rodovia está nas mãos da Concessionária Rodonorte que, por meio da assessoria, alega que a obra não faz parte do contrato de concessão firmado. De acordo com vereador Rogério Mioduski, que tem base eleitoral na região, a empresa responsável pela execução da obra já foi licitada. No entanto, a obra ainda não saiu do papel e não passa de promessas.

Arquivo Portal Comunitário

21/12/2015 - Excesso de velocidade e desrespeito às legislações agravam ainda mais o problema

Salvar

Salvar