O projeto Eleições Limpas foi criado via a necessidade de alterar a atual Legislação Eleitoral. A iniciativa deve continuar até o fim do ano na cidade pretende recolher de assinaturas e encaminhar o projeto de iniciativa popular ao Congresso Nacional.

Durante o II Fórum de Representação Política dos Campos Gerais, foi reivindicada aos candidatos a deputado federal e estadual a assinatura do documento “Plataforma dos Movimentos Sociais”, comprometendo-se com uma série de demandas feitas por movimentos sociais e estudantis. O evento ocorreu na última terça-feira, dia 16, no Auditório da Reitoria, campus central da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG).

Após as manifestações de junho que pediam por reformas na saúde, educação e principalmente na política, o Governo anunciou o plebiscito. Mas não foi o único a tomar providências, o MCCE lançou a campanha Eleições Limpas.

O Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral realizou quarta feira, 19, o Seminário para o Projeto Eleições Limpas e Lei de Iniciativa Popular de Reforma Política na Câmara Municipal de Vereadores.

Representantes de sindicatos e associações da sociedade civil organizada de Ponta Grossa opinam sobre o aumento do número de vereadores na cidade.Favoráveis ou contra, eles defendem a necessidade de maior debate sobre o assunto para esclarecimento da população. Se a mudança acontecer, o Departamento de Finanças da Câmara Municipal prevê o aumento de mais de 38 mil reais em gastos na Casa, caso seja mantido o número de tr ês assessores para cada vereador. Assim, estima-se que os gastos com as despesas do Legislativo passarão de 419 mil reais/ano para 587 mil reais/ano.