A entidade presta consultas e informações sobre o assédio moral em Ponta Grossa. Os trabalhadores devem contar com a organização para possíveis orientações e esclarecimentos

 

 

 

Segundo pesquisa realizada pelo Sindicato dos Bancários de São Paulo, no início de 2012, o assédio moral está presente nos campos de trabalho e em determinados casos, não tem reconhecimento daquele que o sofre. No mês de junho, o Portal Comunitário recebeu o comentário de uma leitora que pedia esclarecimentos sobre o assunto.Violência moral ou assédio moral tem definição técnica como toda a ação que parte dos chefes ou colegas de trabalho e constrange o indivíduo, sem motivação sabida.

Segundo o jornal “Balanço Geral”, que é veiculado para os afiliados do Sindicato dos Comerciários, o número de assédio que os trabalhadores sofrem no ambiente de trabalho, é alarmante. A tabela disponibilizada pela edição de abril do periódico mostra que 55% dos funcionários de bancos vivem preocupados e tensos; 38% dormem mal durante a noite e 31% sentem tristeza frequente em decorrência do assédio praticado pelos superiores, somente na cidade de São Paulo. O membro da diretoria do Sincicato dos Comerciários de Ponta Grossa, José Vanilson Cordeiro, explica que estes dados são equivalentes ao número referente aos trabalhadores do comércio e que a situação precisa ser enfrentada de modo perseverante. “Aqueles trabalhadores que de alguma forma se sentirem incomodados com o tratamento recebido dentro da empresa em que servem, podem procurar o sindicato para receber as orientações e apoio necessário.”O assédio moral pode prejudicar a produtividade nas empresas A proprietária de salão de beleza,Tatiane do Nascimento, já trabalhou como funcionária antes de se estabelecer. Segundo a jovem, o assédio moral era frequente em umas das empresas que trabalhou e a prática foi  justificada como forma de aumentar a produção dos funcionários. 

“Este tipo de tratamento hostil nunca funciona bem em uma empresa, hoje eu trato as minhas funcionárias com respeito e paciência, e até hoje só obtive bons resultados”, afirma a empresária. Assediar um trabalhador é crime e pode gerar multaSegundo o advogado trabalhista, Aureo Stüpp Junior, o assédio moral pode ser conceituado como toda a prática que pretende menosprezar, culpar, inferiorizar ou constranger o trabalhador dentro de uma determinada empresa. O advogado explica que este tipo de assédio é, geralmente, praticado na presença de todos os colegas de trabalho, o que causa um trauma maior na pessoa que sofre a situação.

A legislação específica sobre assédio moral no Brasil ainda está em fase de tramitação. Segundo o site assédio moral no trabalho, no Brasil, hoje em dia, há mais de 80 projetos de lei, em diferentes regiões do país, que visam o combate e resistência ao assédio dentro das empresas. Aureo diz que em Ponta Grossa, os casos de assédio podem ser punidos com indenizações ao trabalhador, multa, advertência, suspensão e até demissão do assediador, dependendo do grau de violência e também da frequência com que a prática acontece.  Ele completa afirmando que é obrigação do sindicato auxiliar estes casos e em determinadas ocasiões, cabe à organização, encaminhar o trabalhador para tratamento médico e serviço jurídico especializado.

Arquivo Comunitário: 17/05/2012 - Sindicato dos comerciários cobra o cumprimento dos direitos trabalhistas nas empresas locais