Dois advogados estão à disposição para orientar sobre direitos e deveres do empregado no comércio. Serviço é importante para que funcionários possam ter outra via, que não o próprio patrão, para compreender as leis que permeiam seu ofício.

É simples: basta se dirigir à sede do Sindicato e pedir redirecionamento à secretária. No mesmo piso estão os dois advogados responsáveis por esclarecer as dúvidas dos empregados do comércio e atender suas reclamações.

Estas vão desde direitos de vale alimentação, vale transporte, direitos trabalhistas, férias, até questões de rescisão de contratos. Trata-se de um serviço gratuito, que serve para que o trabalhador compreenda melhor seus direitos e deveres, sem necessariamente perguntar ao ‘patrão’.

Os setores que mais estão presentes nestes atendimentos são o de mercados e o de lojas. “Nestes casos, o número de empregados e o de empregadores é maior”, explica José Vanílson Cordeiro, membro da direção do Sindicato dos Comerciários.

Nestes setores, o número de funcionários passa de 2000 em cada, contra, por exemplo, o de concessionárias, com 700. Não há número exato de atendimentos porque não é feito registro por consulta.

O dono de salão de beleza, Ciro de Quadros Rodrigues, tem um ponto comercial ao lado do Sindicato dos Comerciários há dois anos e meio. Neste tempo de trabalho, não só tomou conhecimento do Sindicato como se associou.

“Vejo que é importante para tirar as dúvidas, saber os direitos e deveres, para, por exemplo, não ir de encontro com o chefe cobrando algo que não condiz com a lei”, diz.

Ele observa que as pessoas tomam conhecimento sobre os serviços oferecidos pelo Sindicato pelo ‘boca a boca’: “Eu, apesar de trabalhar aqui ao lado, acabei conhecendo o que era ofertado por um conhecido e percebo que muitos que procuram estão no mesmo caso”.

 

alt