Pessoas avaliam peças de vestuário no bazar, ao fundo aparecem araras com muitas roupas e também caixas cheias de peçasBazar Irmã Scheila oferece peças de vestuário a preços acessíveis à comunidade. (Foto: Thalita Mainardes)

Mesmo com a interrupção da atividade, a organização espírita ponta-grossense continua arrecadando fundos para ações solidárias.

 

Os bazares promovidos pela Organização Espírita Cristã Irmã Scheila foram interrompidos neste mês, para as férias. A expectativa é que a atividade realizada sistematicamente pela entidade filantrópica seja retomada no ano que vem, na primeira semana de fevereiro.

O bazar, realizado sempre de segunda a sexta-feira, tem como objetivo a arrecadação de fundos para as ações sociais promovidas pela entidade. São oferecidas roupas femininas, masculinas e infantis, além de roupas de banho e para bebês. Com produtos a preços acessíveis, a ideia é atender as necessidades do pública e, ao mesmo tempo, arrecadar dinheiro para a manutenção dos serviços oferecidos.

A entidade realiza atividades de caráter assistencial, como a distribuição mensal de 120 cestas básicas para famílias triadas e cadastradas e, em média, 150 doações emergenciais. Além disso, a organização serve 600 pratos de sopa diariamente.

As doações emergenciais são feitas àqueles que vão à entidade a fim de obter uma ajuda. Os itens são arroz, feijão, açúcar, azeite e macarrão. Acontece também a doação de enxovais mediante apresentação da carteirinha do posto de saúde e também de medicamentos mediante receita médica.

A entidade tem cinco funcionárias, entre costureiras, bordadeiras e cozinheiras. Os voluntários, que passam de 60, trabalham em bordados, artesanato, crochê, tricô, confecção de enxovais e bazar. A renda é revertida à instituição.
As doações para o bazar, assim como alimentos para a sopa e cestas, podem ser feitas na sede da organização que fica na Rua do Rosário, 556.

Entidade espírita atende pessoas de vários credos religiosos

A vice-presidente da entidade, Cecy Trujillo, conta que fez trabalho voluntário durante toda a vida. Ela relata que o trabalho realizado na Organização Irmã Scheila é gratificante.

“Quando venho e vejo a porta lotada de pessoas esperando a sopa, principalmente no inverno, não tem cansaço, esqueço tudo”, conta sobre a experiência. “Me sinto realizada e feliz em ver o resultado do nosso trabalho”.

Cecy reforça que a casa segue a doutrina espírita e é filiada à Federação Espírita, mas recebe a todas as pessoas que procuram ajuda na entidade. Ela conta que são feitas leituras e orações, mas que pessoas de diferentes crenças trabalham e são atendidas lá.

“Cada um tem livre arbítrio, nunca vi uma discussão sobre religião aqui”, reforça.

Atendente voluntária no balcão do bazar, Marilda Fujii, conta que, há dois anos, fez o primeiro trabalho voluntário junto à entidade. Para ela, a experiência é gratificante e a faz sentir mais responsabilidade, compromisso e companheirismo.

“De alguma maneira, esse trabalho ajuda a sociedade. E é um trabalho da sociedade ajudar as pessoas que precisam”, defende.

 

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar