Equipamentos de informática correm risco de serem sucateados pelo tempo. Por alguns meses foram utilizados, mas hoje se encontram abandonados a espera de técnicos que auxiliem na recuperação do sistema implantado.

 

A chegada de mais de doze computadores e equipamentos de informática no quilombo Sutil, em Guaragi, demonstrou avanço para a comunidade local. Porém, na prática  esse avanço parou no tempo a espera de uma solução que beneficie os moradores locais.

Há mais de dois anos, o Ministério das Comunicações, através da secretaria Municipal de Educação, sedeu à colônia doze computadores para o auxílio de pesquisas, aulas de informática e capacitação profissional da comunidade."Ninguém resolve nada, esta tudo lá parado. Tenho minhas netas que precisam dos computadores para estudo e pesquisas. Se estivessem funcionando, ajudaria muito" explica a moradora Noeli do Rocio Pinto.

Segundo o líder comunitário Ademir José Ferreira, a Colônia Sutil possui mais de cinqüenta famílias que diretamente se beneficiariam com  a chegada desses equipamentos. O local destinado a abrigar os computadores, no entanto, serve hoje de salão comunitário, aula de dança, artesanato, corte e costura e até funerais. "Oficialmente, a sala de computação estaria funcionando plenamente após a inauguração. Estamos esperando essa tal inauguração até hoje", diz Ferreira.

Luiz Carlos Maior é programador de computadores na Secretaria Municipal de Educação e foi um dos responsáveis pela entrega dos materiais na Colônia. "Os computadores faziam parte de um projeto do Ministério das Comunicações de levar informática para toda a comunidade", afirma Maior.

De acordo com informações do Ministério das Comunicações, ao término da garantia de três anos o município é quem fica responsável pela manutenção técnica dos móveis e equipamentos de informática. A Secretaria de Educação afirmou, porém, não ser a responsável pelos equipamentos.