Em muitas culturas, o pombo é conhecido como figura da paz. Em certos lugares, de tão acostumados com a presença das pessoas, chegam a dividir o mesmo espaço sem o menor constrangimento. Não se sabe ao certo quem invadiu o território de quem. 

 

Aparentemente sem demonstrar um perigo visível, a presença dessas aves em áreas urbanas pode trazer doenças e complicações para as pessoas. Com os pombos, vão junto a sujeira, fezes, doenças respiratórias, piolho, além de ocuparem qualquer espaço no qual possam entrar e se alojar. 

Os moradores do entorno da escola municipal Dr. Raul Pinheiro Machado, no Santa Paula, há muito convivem com essa invasão dos pombos, e os alunos que estudam na instituição também enfrentam essas dificuldades. 

"Os pombos só estão aqui por que alguém os trata com alimento. E depois que elas comem, vem depositar suas fezes aqui no pátio da escola. As zeladoras diariamente tem que higienizar o local", explica a diretora da escola, Eliete Schmidt. 

Em resposta, o controle de zoonoses de Ponta Grossa diz ter orientado a direção da escola de como proceder para minimizar o problema.