“Nós somos as mãos que carregam as urnas, e as mãos que carregam as urnas têm que ser valorizadas”, afirma a carteira Rosana Vaz Carvalho. A ideia de greve para as vésperas das eleições visa melhores resultados nas negociações com a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT).

Durante Assembleia de Deflagração da Greve, realizada em Ponta Grossa na última quarta-feira, dia 17, os 23 funcionários presentes votaram pela permanência do Estado de Greve, iniciado no dia 9 de setembro.

No total foram 19 votos favoráveis e 2 contrários, que gostariam de deflagrar greve já. A ideia é continuar discutindo com a ECT, buscando benefícios trabalhistas.

Também houve votação referente à sugestão da ECT de pagamento parcelado da Participação nos Lucros e Resultado (PLR). Neste ponto, houve 15 votos contrários e 6 favoráveis.

A carteira Rosana Vaz Carvalho, que coordenou a assembléia, explica a negação da categoria: a proposta da ECT não oferece nenhum aumento real, somente gratificação, o que significa que a PLR não entra na aposentadoria futuramente.

Rosa Souza, diretora do Sindicato dos Trabalhadores dos Correios do Paraná (Sintcom PR) em Ponta Grossa, acredita que as eleições trarão mais adeptos para uma possível greve dos Correios na cidade:

“A nossa força de trabalho em um ano eleitoral, prestes a acontecer uma eleição, tem um certo poder. É tudo que nós temos!”, destaca.  

Entre os participantes da Assembleia, estava a carteira Silvana Santos, que votou contra a proposta da ECT, e favorável à manutenção do Estado de Greve. Mas ela afirma que participará da greve, caso deflagrada em 30 de setembro.

 Motivo? Busca de melhores condições de trabalho, principalmente com relação ao Postal Saúde: “Meu trabalho tem valor, minha saúde não tem preço”, afirma.

 

Arquivo Comunitário:
16 de setembro de 2014 - Trabalhadores dos Correios de PG aprovam indicativo de greve