A reportagem sobre a tarifa do transporte público está muito boa e completa, com uma grande variedade de fontes e abordagens. É possível observar o problema a partir de diversos pontos de vista, o que é bom para o leitor, pois enriquece os argumentos do debate. Está redonda também a matéria sobre a falta de asfalto no Santa Paula III. Já li muitas reportagens sobre esse tema no Portal e essa é a que, a meu ver, mostrou o problema de maneira mais completa, apresentando opiniões e perspectivas de todos os atores envolvidos.

 

Está muito bacana a seção de indicação de outros sites, mas achei ruim não ter o endereço das páginas. A janela abre sem a linha que indica o www...

A falta dessa informação impede que o leitor guarde a página entre suas favoritas ou a compartilhe por meio de suas redes sociais, por exemplo.

A matéria sobre o Ilê Bamba é interessante, mas bastante repetitiva. Li, pelo menos três vezes, que o esporte contribui para a redução da violência ou diminui gastos em segurança pública. Concordo com o argumento, mas acho ruim, como leitora, ver a mesma informação indo e vindo pelo texto. Dá a impressão que não havia nada melhor para dizer ou para completar as ideias. Por exemplo, o texto poderia ter explicado um pouco melhor de que forma o esporte praticado pelas crianças pode reduzir a violência praticada contra elas próprias. Isso não ficou claro para mim.

Tampouco me pareceu claro se o Ilê Bamba tem espaços para a prática da capoeira em Ponta Grossa. Quando vejo título das matérias publicadas em abril, tendo a crer que sim, mas o texto desta edição fala que o mestre de capoeira veio de Curitiba. Quem ler só esse texto pode ficar com a impressão de que o projeto não está instalado em Ponta Grossa.

Ai, meu português...

A cada semana, venho colecionando alguns deslizes na aplicação da nossa amada língua portuguesa pelos repórteres do Portal Comunitário. Ainda que andem evocando até Paulo Freire para justificar a difusão da aplicação livre da gramática portuguesa, eu continuo achando que usar o português corretamente é obrigação de todo cidadão brasileiro, pelo menos de quem se expressa publicamente. A média do Portal está boa, mas ainda é necessário calibrar a atenção.

Há uma oscilação na aplicação das novas regras da gramática. Vi a palavra “ideia” aparecendo com e sem acento na mesma matéria. Tudo bem que estamos em processo de implantação da reforma, mas coerência no mesmo texto seria melhor.

Alguns deslizes chegam a arrepiar, como “acho necessário a participação” e “Gastos da próxima legislatura pode chegar a R$9 mi com aprovação de mais 8 vereadores de PG”. Erro de concordância dói nos olhos.

E teve também sambas matemáticos. Na matéria sobre a tarifa de ônibus, no primeiro parágrafo, faltou dizer que o valor somado se refere ao total em um mês. Por mais que seja óbvio que aquela soma não equivale ao uso diário, é melhor completar o raciocínio do que deixar o leitor fazendo as contas.

 

Ana Cristina Suzina