A “Semana”, inicialmente programada para o período de 13 a 18 de outubro, acabou se estendendo até o dia 24 em todo o Brasil e teve como objetivo deixar o Projeto de Lei de Iniciativa Popular da Mídia Democrática ainda mais visível. Diversos setores da população participaram dos eventos realizados em 12 estados.

Apesar de a democracia na comunicação ser importante para todas as pessoas e esferas da sociedade, no Paraná as entidades ligadas ao Fórum Nacional Pela Democratização da Comunicação (FNDC) não promoveram atividades. Foram doze estados que tiveram um calendário de debates, panfletagens e outros eventos.

Mesmo não estando presente nas atividades, houve no estado a divulgação de que a Semana estaria acontecendo nos dias determinados. O cartaz digital da campanha se disseminou nas redes sociais com a colaboração de algumas pessoas. Mas nem todos tiveram conhecimento dos eventos.

“Dá a impressão que a luta está ‘adormecida’, o que é triste, pois em período eleitoral o assunto deveria estar em pauta”, afirma a presidente do Centro Acadêmico João do Rio, Rafaella Feola, que confessou que não sabia que a Semana tinha acontecido.

O delegado sindical da Federação dos Trabalhadores nas Indústrias no Estado do Paraná (FETIEP), Thiago Moro, acredita que a divulgação poderia ter se estendido à pessoas “fora dos muros da universidade”, atingindo um público maior e outros setores da sociedade.

“Vejo o debate acontecer dia a dia através dos blogueiros progressistas, do pessoal do Barão de Itararé, Centrais Sindicais e outras entidades”, afirma Thiago. 

Ele conta que o movimento sindical tem dado muita importância ao tema, “fortalecendo os canais de mídia e outras associações comunitárias na área”. O diretor do Sindicato dos Frentistas, Danilo Kieltika, completa dizendo que os movimentos sindicais têm certa dificuldade em divulgar as lutas em prol da classe trabalhadora. 

Coincidindo com a Semana Nacional pela Democratização da Comunicação ocorreu na Faculdade Secal uma série de seminários acadêmicos. “As discussões aconteceram em dois âmbitos, nos seminários em que o assunto principal eram as mídias alternativas e com os diretores sindicais, não relacionados com a semana, mas sobre a mídia alternativa voltada ao trabalhador como uma forma de auxílio, inovador e ágil”, afirmou Danilo, lembrando que os temas eram equivalentes, mas os eventos não eram relacionados.

A Semana terminou, mas o debate sobre o tema continua e deve ser reforçado nas redes sociais nesse período que sucede a reeleição da presidente Dilma Rousseff.