Dona Maria auxiliou na fundação de uma das associações de catadores de Ponta Grossa

Em um barracão localizado na avenida Souza Naves, próximo à entrada da Vila Borato, funciona a Associação dos Recicladores Rei dos Plásticos (Arrep). O local se divide, basicamente, em duas partes: o lugar onde é feito todo o processo de separação do material reciclável e a parte onde se cuida da administração e onde os catadores associados fazem as refeições. Em uma bancada externa, feita de chapas de compensado, junto a uma parede, trabalha Maria da Luz de Oliveira ou, simplesmente, dona Maria.


Especialista da IESol defende que unificação trará perdas para categoria

As associações de catadores de materiais recicláveis de Ponta Grossa podem mudar de endereço em 2017. Atualmente, elas estão distribuídas em quatro localidades da cidade: Uvaranas, Oficinas, Montecarlo e Borato. Há planos de remanejar os catadores associados para um novo endereço, no Distrito Industrial.

Projeto, que disponibiliza produtos orgânicos na UEPG, complementa a renda de produtoras rurais da região dos Campos Gerais

Alimentos agroecológicos são entregues, toda semana, no Campus Central da UEPG

Terça-feira virou sinônimo de alimentação saudável. No Campus Central da UEPG, esse é o dia de entrega das ‘sacolonas’, como são conhecidas as sacolas retornáveis, feitas de material reciclável. Dentro, elas trazem legumes e verduras frescos e a comercialização faz parte de uma rede solidária que coloca em contato produtoras e consumidores de Ponta Grossa.

IESol promove, pela terceira vez, o Senests com pessoas de diferentes localidades

Participantes participam de dinâmica durante o Senests. (Foto: Divulgação)

Participantes do III Senests durante dinâmica que integrou a programação do evento (Foto: Divulgação)

 

A Incubadora de Empreendimentos Solidários (IESol) realizou, na última semana, o Seminário Nacional de Economia Solidária (Senests). Em sua terceira edição, o evento ocorreu no Campus Central da UEPG e reuniu pessoas de várias partes do país.

Os catadores de material reciclado da Associação dos Recicladores Rei do Pet (Arrep) reclamam do rendimento mensal do trabalho que, muitas vezes, não chega a meio salário mínimo. A Arrep é uma iniciativa que surgiu em 2010 com o intuito de organizar o grupo para melhorar as condições de trabalho. No entanto, os catadores contam que catar lixo na rua rendia mais.