Na cidade, os agentes de trânsito estão sofrendo com a sobrecarga de trabalho. Para a Autarquia Municipal de Trânsito e Transporte (AMTT), os 16 efetivos seriam destinados a trabalhar o dobro do que trabalham para cobrir todo o Estacionamento Regulamentado (ESTAR) se todas as quadras fossem fiscalizadas, além da situação de más qualidades de materiais de trabalho e estrutura na AMTT.


Ao todo, são 384 quadras regularizadas com o ESTAR. Para que todas sejam fiscalizadas, cada agente precisaria cobrir cerca de 24 quadras. O número representa mais que o dobro da quantidade de quadras que cada agente consegue cobrir por turno. A agente de trânsito, Karine Rodrigues, por exemplo, conta que foi resposável por fiscalizar 6 quadras no último dia de trabalho. A média geral de área de cobertura por agente portanto um pouco maior, cerca de 10 quadras, isso não equivale a nem metade da necessidade de 24 quadras por fiscal.
A contratação é demorada. Demorou 3 anos para que a agente tenha sido efetivada. Recentemente foi realizado um concurso que prevê a ampliação do quadro em cerca de 80 agente de trânsito. Do todas de vagas, nem todos realmente trabalharão com o ESTAR, mas somariam uma quantia razoável de agentes.
Além da sobrecarga de trabalho dos poucos agentes, há reclamações quanto a qualidade dos materiais utilizados, a demora na chegada dos materiais, as viaturas utilizadas durante o trabalho, a estrutura da Autarquia Municipal de Trânsito e Transporte (AMTT) e a situação dos agentes em períodos de chuva. Neste ano ainda há muito mais a se resolver do que apenas a contratação de agentes.
Os novos agentes a serem contratados aliviariam o trabalho dos atuais agentes e fariam com que a fiscalização das quadras fosse maior, porém, os problemas estruturais dificultam que a situação seja resolvida.