Para viabilizar acesso ao conhecimento, projeto de extensão da UEPG ‘Geodiversidade na Educação’ desenvolve kit portátil de mineralogia

Um instrumento que desperta nas crianças o interesse sobre Geografia, mais especialmente mineralogia e geologia. esse é o ‘Mini Laboratório Portátil de Mineralogia’, um kit composto por amostras de minerais e ferramentas que auxiliam na identificação dos mesmos.

O mini-laboratório, ou ‘caixinha’, como é chamado, foi desenvolvido pelo Departamento de Geociências da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), em parceria com o Núcleo de Tecnologia e Educação Aberta e a Distância (NUTEAD). A iniciativa integra o projeto de extensão ‘Geodiversidade na Educação’.

Segundo o professor Antonio Liccardo, o ensino de mineralogia demanda um laboratório com instalações apropriadas e com amostras. Ele aponta que muitas vezes as amostras são caras e é difícil constituir um acervo. “Às vezes, o momento da aula é o único no qual os alunos têm contato com o material”.

O professor Liccardo afirma ainda que as amostras de minerais presentes na caixa foram escolhidas porque são didáticas e representativas na crosta terrestre brasileira. Ele destaca o caso da hematita, mineral do qual é extraído o ferro, que o Brasil é o segundo maior produtor do mundo, atrás apenas da China.

A iniciativa da caixinha surgiu depois que o professor Gilson Cruz, coordenador do curso de Geografia da UEPG, deu aulas na disciplina de geologia para alunos do curso de Licenciatura em Geografia a distância.

 

Projeto contribui para a formação de universitários e de estudantes da rede pública de ensino

O estagiário do projeto ‘Geodiversidade na Educação’, Kleverson Maiesk descreve ações desenvolvidas no projeto. “A gente levou a caixinha até o Fórum das Licenciaturas de 2015 e conseguimos apresentar [o material] para crianças do quarto ao nono ano”.

Guilherme Scheid, que também é estagiário do projeto, reforça a observação do colega. “A gente foi nas escolas fazer o estágio obrigatório e foi interessante ver o resultado diante das crianças. Essa maior união entre teoria e prática traz resultados positivos”.

Iniciativas como essa são fundamentais na formação profissional dos alunos da graduação. É o que aponta a estudante de Licenciatura em Geografia e participante do projeto, Samara Alessi: “pra mim como estudante desenvolver esse tipo de material tem uma importância bem grande. A partir do momento que eu estiver trabalhando, vou precisar trazer novas ideias e esses novos tipos de materiais [para a sala de aula]. Consegui exercitar essa habilidade a partir do projeto.”

Segundo o professor Liccardo, que coordena o projeto, com a caixinha a UEPG oferece um equipamento muito útil para verificação das características dos minerais. “Apesar de parecer um brinquedo, esse material tem um valor didático muito alto para o ensino de geologia e mineralogia”, afirma Liccardo.

Funcionando como uma espécie de ‘porta para o conhecimento’ em colégios de ensino médio e fundamental, o mini laboratório portátil de mineralogia permite, tamanha sua praticidade e eficiência segundo aqueles que o usam, que mesmo pessoas não diretamente ligadas ao campo da geografia, dominem em alguma medida esse conteúdo: “a proposta é que com esse mini laboratório qualquer pessoa possa dominar esse mínimo de conteúdo de reconhecimento de minerais”, aponta Liccardo.

 

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar