UEPG promove o primeiro debate com os candidatos à Prefeitura de Ponta Grossa

Foto: Lauro Alexandre
Todos os candidatos à Prefeitura de Ponta Grossa participaram do debate promovido pela UEPG

 

A eleição municipal é um dos assuntos que tem tomado o cenário midiático nacional. Em Ponta Grossa, os candidatos à prefeitura participaram do primeiro debate realizado, no último dia 23, no Campus Central da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG).

 

O debate contou com a participação de atores sociais que puderam, no terceiro bloco, apresentar perguntas aos candidatos. Participaram pessoas que atuam nas áreas de educação, meio ambiente, transporte público, entre outras.

O bloco, que teve maior repercussão, contou com perguntas feitas por candidatos e direcionadas a um dos adversários. Um dos pontos de destaque foi o questionamento acerca do número de cargos comissionados nas gestões municipais e a mudança de posição frente ao tema quando o político atua nos poderes legislativo e executivo municipais.

Ao ser questionado acerca da descentralização da cultura em Ponta Grossa, o candidato Aliel Machado (Rede) prometeu começar a atuar, nessa área, a partir dos bairros mais pobres. “Vamos colocar, em prática, a lei municipal que prevê incentivos aos empresários que investem na cultura da cidade”.

Quanto às medidas voltadas à educação, o candidato Julio Kuller (PMB) criticou a Lei Municipal 12.259 de 2015. Para ele, é um retrocesso acabar com a exigência de formação, em nível superior, dos professores que atuam na rede municipal. “Uma lei que traz um retrocesso e nós estaremos, assim que possível, revendo esse ponto”. Kuller ainda criticou a capacidade de a atual gestão de planejar a educação municipal.

Quando perguntado acerca do direito das “minorias”, com destaque nos índices de violência contra a criança e o adolescente, Marcelo Rangel (PPS), o atual prefeito e candidato à reeleição, enfatizou o projeto da “Educação em tempo integral”. O projeto vem atender uma das diretrizes do Plano Nacional de Educação e tem sido implantado, gradativamente, no município.

O candidato Sérgio Gadini (Psol) foi questionado sobre meio ambiente e destinação dos resíduos sólidos na cidade. Gadini relembrou sua atuação nos movimentos sociais e também no Fórum das Águas dos Campos Gerais em defesa do aquífero Furnas, um dos mais importantes da cidade.

Gadini destacou a importância de se rever contratos de concessões da gestão municipal. “Existem dois contratos de prestação de serviço público que precisam ser revistos na cidade, o contrato do lixo, que promete coleta seletiva, e o contrato da Sanepar”, destacou. Para o candidato, a saída seria ouvir, em uma audiência pública, toda a comunidade e, partir disso, fazer a revisão desses contratos.

O assunto esporte e lazer foi tema de pergunta feita ao candidato Leandro Machado (PPL), que ressaltou a falta de incentivo para a prática de esportes na cidade. “O esporte, hoje, não se restringe à prática, mas também a competição”, pontuou.

Realização de debate, na UEPG, é um marco democrático

A professora do Departamento de Jornalismo da UEPG, Hebe Gonçalves, uma das coordenadoras do evento, lembra da importância do debate. A docente destaca o fato de ter sido o primeiro debate, tendo contado com a participação de todos os candidatos.

Para Hebe, é um marco democrático a realização do evento dentro da UEPG, já que a universidade, historicamente, vem se construindo como um espaço importante para o debate sobre os processos eleitorais. “Mesmo com o problema de falta de espaço para acomodar um público tão grande, nós realizamos um grande evento do ponto de vista democrático”, avalia.

O debate foi organizado pelo grupo de pesquisa Jornalismo e Política – Representações e Atores Sociais do Mestrado em Jornalismo da UEPG. A mediação ficou por conta do radialista Juca Francisquini. Participaram os cinco candidatos à Prefeitura de Ponta Grossa.

A dinâmica do debate foi elaborada, previamente, em acordo estabelecido entre os organizadores do evento e as assessorias dos prefeitáveis. As perguntas foram divididas em cinco blocos e o debate teve duração de pouco mais de duas horas.

O Auditório da Reitoria, onde foi realizado o debate, ficou com lotação esgotada. Do lado de fora, um grupo expressivo de pessoas lamentou não ter conseguido espaço, dentro do recinto, para acompanhar o debate. De acordo com os organizadores, o público superou muito as expectativas.

Veja também
24/08/2016 - Debate entre prefeituráveis lota auditório na UEPG

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar