renascer-03-12-11O Dia Mundial Contra AIDS foi lembrado nesta quinta-feira, dia 1º, com estandes na Praça do Sol. Entidades atuaram no incentivo à prevenção. Segundo o Ministério da Saúde, o surto de AIDS se encontra estabilizado, mas o índice não decresce no Brasil.

 

 
Blitz educativas em pontos da cidade, divulgação de panfletos informativos, distribuição de preservativos. As atividades marcaram a Campanha 1º de Dezembro, realizada na última quinta-feira na Praça do Sol, ao lado do Shopping Popular, mais conhecido como ‘Paraguaizinho’.

O evento ocorreu numa parceria entre Programa Municipal de DST-AIDS, Grupo Renascer e Grupo Reviver, Pastoral da AIDS e Rede Nacional de Pessoas convivendo com HIV/AIDS.

O Grupo Reviver e a Pastoral da AIDS apresentaram produções artesanais feitas pelos próprios integrantes das entidades. Já o Renascer contou com estande para corte de cabelo gratuito, que atraiu mais de 100 pessoas.

A presidente Débora Lee fez uso de microfone em praça aberta para chamar a atenção dos transeuntes à causa. Além disso, agentes comunitárias da saúde estiveram em pontos do centro da cidade oferecendo folders informativos sobre a AIDS e mais de 14 mil preservativos.

Segundo Diego Rodrigues, coordenador do Programa Municipal de DST-AIDS, os adolescentes foram o foco da campanha deste ano. “A população não pode ficar acomodada com a situação da AIDS na cidade. A prevenção continua sendo a principal ação, com distribuição de cartilhas educativas para os jovens”, afirma Rodrigues.

Dados preliminares sobre AIDS em Ponta Grossa contabilizaram 52 casos só em 2011. A assistente social do Grupo Renascer, Fernanda da Silva, diz que as últimas três mobilizações da Campanha 1º de Dezembro foram de grande visibilidade no município.

“A mídia esteve presente em peso, e isso é muito importante para a causa. Este último evento foi bastante produtivo para conscientizar a população”. A campanha ocorreu das 8h às 16h30 e se repete todo dia 1º de dezembro.

Veja também

17/11/2011 - Quebra de silêncio: a descoberta da AIDS 30 anos depois