Segundo a lei 9.019 de 2007, abandonar animais em vias públicas é crime. Em Ponta Grossa, a população canina é estimada entre 32 e 33 mil, o que representa quase três pessoas por cão. Um acordo entre o Centro de zoonoses, a prefeitura e as ONGs ambientalistas pretende castrar até 100 cães por mês, a fim de evitar problemas e diminuir o crescimento dos animais nas ruas. 

O programa já havia sido idealizado no mandato do ex-prefeito, Pedro Wosgrau Filho. Na atual prefeitura, a número de castrações mensais passou de 30 para 100. São dois os programas de castração: os animais de rua e a castração tutelada. No primeiro caso, um caminhão da prefeitura recolhe os animais que estão na rua, realizam a operação e caso nenhum dono não apareça em três dias no canil municipal, o animal retorna ao mesmo local onde foi encontrado.

As castrações tuteladas são destinadas às pessoas que não possuem condições financeiras de pagar por uma operação. Segundo o veterinário Gabriel Campo, a cirurgia pode chegar a R$ 200,00. “Depende do sexo do animal e do tamanho, principalmente. A cirurgia é simples, só é necessário tomar os cuidados do pós operatório para que não haja complicações”, explica. O dono do animaL assina um termo de responsabilidade sobre a cirurgia do animal e também fica responsável pelo pós-operatório.

O Centro de Zoonoses também promove palestras que demonstrem a necessidade da criação de uma guarda que seja responsável pelo problema desses cães de rua. “Muitos desses cães que estão nas ruas são cães que estão nas ruas e não cães de rua, chamados os peridomiciliados. Esses cães podem estar cruzando com outras fêmeas, ocasionando acidentes e mordendo pessoas”, afirma o chefe da Zoonoses de Ponta Grossa, Leandro Inglês. O Centro de Zoonoses fica na Rua Augusto Ribas, no 233 e o telefone é 3222-9672.

Próximo Bloco: Castração é um processo simples, mas que gera resultados positivos

Arquivo Comunitário: 10/08/2013 - AVEG promove Ato pelos Direitos Animais