Com atrações culturais e faixas de protesto, ativistas se manifestaram contrários ao projeto de lei que tramita na Câmara dos Deputados

Os membros de cada grupo de ativismo animal se reuniram para uma foto oficial do evento (Foto: Leonardo Camargo)

A Estação Saudade foi palco, no último domingo, dia 27, de uma manifestação contra os maus tratos a animais. O evento nacional “Crueldade Nunca Mais”, que foi realizado pela terceira vez em Ponta Grossa, reuniu organizações e ativistas em protesto contra o Projeto de Lei Complementar 24 de 2016, que regulariza a prática de vaquejadas e rodeios, com fins culturais.


De autoria do deputado Capitão Augusto, a lei prevê a condição de manifestação cultural e patrimônio imaterial para a vaquejada. O projeto foi aprovado pelo plenário e segue para mais uma discussão sobre sanção no dia 08 de dezembro. Em consulta pública, realizada pelo Senado, 17.845 pessoas foram a favor da PEC, enquanto 51. 490 votaram contra.


Representando o grupo Fauna, entidade de defesa dos direitos dos animais, Isabele Furteko explica que a prática não pode ser regulamentada. “Uma questão cultural não pode envolver violência com outros seres. E os maus tratos são aplicados naqueles que não têm o direito de se defender ou de escolher estar ali”.

A plateia assistiu às apresentações carregando cartazes e interagindo com os transeuntes (Foto: Leonardo Camargo)

 
Para chamar a atenção do público, a organização disponibilizou camisetas com o símbolo oficial da causa, além de cartazes e faixas colocados pelo local. Adesivos também foram distribuídos pelas ruas ao redor, como forma de conscientizar a população acerca do tema.


Sobre a divulgação do evento, a organizadora Karina Medaglia relatou que a divulgação da ação foi feita pelas redes sociais, devido ao pouco espaço ofertado nos veículos tradicionais de Ponta Grossa. “As mídias da cidade, embora nós tivéssemos mandado o release, não foram receptivas”.

Logo após a fala de abertura do evento, a banda Hell’s Dog abriu as apresentações culturais (Foto: Leonardo Camargo)


Além do trabalho de conscientização sobre o tema, a manifestação contou com apresentações de quatro bandas locais. “Esta lei quer nos fazer acreditar que cultura é maltratar os animais. Então tivemos a ideia de mostrar o que são realmente as práticas culturais”, explica Karina. As bandas convidadas foram Cabeça de Balaio, Hell Dog’s, FNM e The Tower.


Roger Marques e Rodrigo Machado, integrantes da banda Cabeça de Balaio, interpretaram uma música a favor da causa animal. “A Karina nos apresentou a composição e pediu para que a gente fizesse o arranjo para que pudéssemos cantar aqui no evento”, explicou Roger. A banda destacou a importância da manifestação, como forma de respeito aos animais e de combate aos maus tratos.

 

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar