Novo site do Grupo Fauna deve facilitar o conhecimento sobre o trabalho exercido na organização e possibilitar maior número de adoções dos animais abandonados.

Fotos chocantes,  vídeos e testemunhos de veganos ajudam a ilustrar a filosofia de vida para alunos do ensino médio.

A entidade que luta pela proteção dos animais em Ponta Grossa entregou aos prefeituráveis uma carta de comprometimento com as ações de defesa e cuidado com os animais da cidade. 

Grupo Abolicionistas Veganos abre o segundo semestre letivo com oficina vegana para alunos do oitavo ano do ensino fundamental.

Muitas pessoas não sabem qual é a base da dieta vegana. Por causa da falta de informação, acreditam que os seguidores da dieta não possuem proteínas suficientes devido a não ingestão de carne.

Na terça-feira, dia 22 de maio, a comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados aprovou, com unanimidade, proposta de controle da natalidade de animais de rua no Brasil. Agora a aprovação segue para o Senado Nacional.

Dois grupos de Ponta Grossa se reuniram na manhã do dia 28 de abril para informar a população sobre os procedimentos cirúrgicos  realizados em animais vivos nos laboratórios das faculdades locais.

Leia também:
Como a vivissecção acontece em Ponta Grossa
Curso de Medicina da UEPG se diz contrário às reivindicações
Opinião: A falta de informação prejudica a luta em defesa aos animais

Na quarta-feira (25/04), o documentário “Não Matarás” foi exibido no Observatório Astronômico, no Campus de Uvaranas. A iniciativa coube ao grupo Abolicionistas Veganos (Aveg) e também ao Fauna, como atividade de preparação do 2º Manifesto Antivivisseção e Experimentação Animal, do dia 28 de abril.
 
“Passar o documentário sobre o tema é uma forma de inserir essa discussão no ambiente acadêmico” explica a integrante do Aveg, Andresa Jacobs. Ela completa que o documentário brasileiro trata da questão dos métodos de experimentação em animais e suas consequências. “Não Matarás” foi produzido pelo Instituto Nina Rosa, uma organização sem fins lucrativos e de defesa dos animais.
 
 Andresa informa que os estudantes da área biológica não sabem que existe um amparo legal chamado “Objeção de Consciência”, dessa forma o estudante que não queira realizar experimentação em animais vivos, pode pedir ao professor para oferecer uma atividade alternativa, sem que saia prejudicado.
 
“Eu sou formada na área biológica, se eu soubesse disso na época em que cursei a faculdade, eu teria evitado muito sofrimento’’, explica a presidente do fauna, Karina Medaglia.
 
A estudante de medicina da UEPG, Hanna Shimim, participou da exibição do documentário. “Eu sou vegana há alguns anos e como curso Medicina, achei interessante a proposta do documentário, por causa deste dilema que existe sobre a experimentação animal” diz. Tarcísio Dornelles, também estudante de Medicina, completa que o documentário auxiliou na formação de opinião sobre o assunto.

Documentário “Não Matarás” inteiro

Próximo bloco: Opinião: A falta de informação prejudica a luta em defesa aos animais

Bloco anterior:  Curso de Medicina da UEPG se diz contrário às reivindicações

 

altKarina Medaglia, ativista do Grupo Fauna, e Andresa Jacobs do grupo Abolicionistas Veganos, não concordam somente na questão de proteção e cuidado com os animais. Elas também constatam que um dos maiores problemas da cidade de Ponta Grossa é a falta de informação existente em relação aos procedimentos realizados, sejam eles animais domesticados ou não.

Abolicionistas Veganos introduzem nas escolas a discussão sobre a utilização de animais em pesquisas de diferentes ramos industriais, para que alunos conheçam como funcionam testes com seres vivos.

.