Vida útil da quinta célula do Aterro Botuquara está no fim e grupos ambientais pedem agilidade na solucão do problema do lixo em Ponta Grossa.

 

Em audiência pública realizada na Câmara Municipal de Ponta Grossa na última terça-feira, dia 10, a Secretaria Municipal do Meio Ambiente da cidade apresentou a nova tecnologia que a Prefeitura irá utilizar para tratar o lixo.

 

De acordo com o secretário municipal do meio ambiente, Valdenor Paulo do Nascimento, a escolha foi utilizar uma nova tecnologia que transforma o lixo em energia através da queima do rejeito.

 O lixo de Ponta Grossa é depositado, atualmente, na quinta célula do Aterro do Botuquara. A chuva forte das últimas semanas causou problemas na terraplanagem da célula e, por isso, os resíduos foram depositados a céu aberto.

De acordo com o secretário, esse é um problema emergencial que será resolvido assim que o tempo melhorar.

 O membro do Fórum das Águas de Ponta Grossa, João Luiz Stefaniak, o grupo é totalmente contra a tecnologia optada pela Prefeitura. Segundo ele, esse tipo de recurso já foi desativado em diversos países da Europa por não serem a melhor escolha ambiental.

“Faremos um manifesto contrário à posição da prefeitura antes que se coloque em risco o Botuquara. A vida útil da quinta célula está acabando e ainda não há uma solução para o lixo da cidade”, afirma Stefaniak.

 O vereador Antônio Laroca Neto pretende instaurar uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o problema do lixo em Ponta Grossa. Segundo ele, há muita coisa errada nas escolhas da prefeitura e tudo precisa ser investigado.

Stefaniak afirma que o Fórum das Águas é a favor da CPI, apesar de se mostrar surpresos com a decisão. “Há falta de fiscalização do assunto na cidade, por isso a decisão é bem vinda”.

Arquivo Comunitário:
05/11/2015: Fórum das Águas se reúne para discutir destinação do lixo em Ponta Grossa

28/08/2015: Prefeitura de Ponta Grossa dará início à quinta célula do aterro sanitário Botuquara