A luta pelos direitos dos trabalhadores é comemorada todos os anos com churrasco, bingo, futebol e algodão doce; como qualquer feriado que se preze no Brasil. Mas se engana quem pensa que o dia 1º de Maio passou a ser apenas mais um dia de folga no país.

O Dia do Trabalho é fundamental para fomentar as discussões, mesmo entre varas de pescar, sobre a situação dos trabalhadores de uma forma geral. A partir daí, podem surgir boas ideias para se repensar os direitos trabalhistas.

Enquanto as famílias se reúnem para almoçar juntas e se divertir, os sindicalistas por trás da festa estão pensando que a comemoração é uma forma de incentivar os sindicalizados a participar mais efetivamente das ações. A participação promove uma luta mais fundamentada pelos direitos dos trabalhadores, como o aumento do piso salarial e melhores condições de trabalho. Além disso, é uma forma de reconhecimento a todos os trabalhadores.

Foi-se o tempo em que este dia era comemorado com protestos nas ruas das cidades brasileiras. Os sindicatos, atualmente, veem nas festas uma forma mais efetiva de envolver os trabalhadores em sua luta. As manifestações passam a segundo plano, embora não deixem de existir.

Ainda assim, pode-se encontrar na festividade a disseminação das ideias sobre a luta de classes e sobre as classes operárias. Mesmo de forma sutil, o trabalhador passa a agregar esses conceitos em sua vida, entendendo os conflitos de interesse entre empregador e trabalhador e lutando por uma sociedade mais justa e menos exploratória.

Veja a reportagem
Festa de 1º de Maio dos Metalúrgicos reúne mais de 8 mil pessoas em feriado descontraído