Célio esta abaixado com um chapéu na cabeça em meio a uma plantaçãoCélio Rodrigues é militante do MST e atualmente estuda Direito na Universidade Federal do Paraná (Foto: Cássia Miranda)

 “A reforma agrária é uma reforma de base. Qualquer país, desenvolvido e que conseguiu dar uma condição de vida digna para o seu povo, fez uma reforma agrária. A nossa grande luta é para que ela aconteça em nosso país, para que de fato a gente tenha um país que dê dignidade para o nosso povo.”

Foto: Arquivo Portal Comunitário

 

Os agricultores do Emiliano Zapata conseguem participar de ações promovidas no âmbito de políticas públicas do governo federal e até mesmo municipal, mas têm dificuldades em conseguir empréstimos no banco.

 Requisitos para financiamento e público-alvo restringem o alcance dos recursos liberados

Agricultores do pré-assentamento Emiliano Zapata fazem venda direta de produtos orgânicos mas não podem ser financiados pelo Pronaf

 

O Banco do Brasil planeja liberar em torno de R$ 290 milhões para a safra 2016/ 2017 dos 42 municípios da região dos Campos Gerais. Nos últimos anos, a quantidade de famílias atendidas mantém-se estável, segundo o banco.

Stedile fez referência ao documento na abertura e no encerramento de sua conferência

A Encíclica do Papa Francisco tornou-se referência na 14ª Jornada de Agroecologia, realizada em Irati, Paraná, nos dias 22 a 25 de julho. O documento não foi apenas citado, mas também recomendado à leitura pelos dois principais conferencistas do evento, João Pedro Stedile, membro da Coordenação Nacional do MST, na quinta-feira, 23,  e Frei Betto, na sexta-feira, 24.

Membro da Coordenação Nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), João Pedro Stedile participou da 14ª Jornada de Agroecologia, na quinta-feira, 23/07, em Irati, no Paraná. Na conferência sobre o tema “Movimento do capital na agricultura e suas consequências”, Stedile analisou o tripé "produção em larga escala, semente transgênica  e maquinários".

O teólogo brasileiro apresentou os 10 mandamentos para o militante de esquerda

Frei Betto realizou na tarde de sexta-feira, dia 24, uma conferência para cerca de 4 mil pessoas. O evento teria a presença da presidenta Dilma Rousseff (PT), que não compareceu devido às chuvas que impediram sua viagem para o Paraná. Com o tema “Elementos filosóficos para a construção de uma sociedade socialmente justa, igualitária, culturalmente diversa e ecologicamente sustentável”, Frei Betto fez uma fala tendo como ponto principal os 10 mandamentos para ser um militante de esquerda.

Presidente Dilma Rousseff irá participar das atividades nesta sexta, dia 24

A 14ª Jornada de Agroecologia iniciou na quarta-feira, dia 22, e segue até o sábado, dia 25. O evento trouxe uma programação diversificada, que inclui seminários, venda de produtos agroecológicos, oficinas e atividades culturais. Segundo dados da organização, mais de 4 mil pessoas estão acampadas no Centro de Tradições Willy Laars e no Parque Aquático de Irati. Representantes do Rio de Janeiro, de São Paulo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Distrito Federal, Amazonas, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Paraná, nordestinos residentes no Sudeste e Paraguai estão participando da Jornada.

Na reunião dos representantes do Fórum das Águas com o secretário Municipal de Meio Ambiente, Valdenor Paulo do Nascimento (Cenoura), nesta quinta-feira, dia 12, o representante do pré-assentamento Emiliano Zapata, do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) de Ponta Grossa, Célio Rodrigues, reivindicou também a solução para a falta de água potável na comunidade.

Em busca do cumprimento da lei que estabelece a agricultura familiar brasileira, manifestantes do MST paralisaram o fluxo de veículos na região de Mauá da Serra no último dia 11. Até agora, porém, o retorno do governo não chegou, nem há previsão de término da tramitação do processo que regulariza as área do Emiliano Zapata.

Integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) ocuparam na segunda-feira, dia 09, a sede da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). Em torno de 150 pessoas que vivem no acampamento Emiliano Zapata se dirigiram ao local para exigir a documentação necessária para a regularização e assentamento da área em que vivem.

 Conforme informações do MST, a ocupação deste ano em frente à Embrapa é a sexta em 11 anos, em prol da mesma reivindicação. O Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), responsável pela aquisição e desapropriação de áreas para reforma agrária, de acordo com o movimento, já realizou em 2007 um depósito no valor de 5 milhões de reais a fim do Título da Divida Agrária. 

Há 11 anos, o Emiliano Zapata funciona como acampamento para 48 famílias que integram o MST de Ponta Grossa. A área de 630 hectares, antes dedicada somente ao cultivo de soja, atualmente produz verduras e legumes para venda a partir do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), articulado pelo MST, além de abastecer feiras municipais.

Arquivo comunitário

25/04/2013 - Integrantes do MST cobram liberação de terras ocupadas há 10 anos

13/11/2008 - Terras do Acampamento Emiliano Zapata passam por medição