mst1-16-08-11 

Com o fim do financiamento ao projeto em parceria com a Incubadora de Empreendimentos Solidários (IESOL), produtores do pré-assentamento Emiliano Zapata têm dificuldades para divulgar a feira. A venda dos produtos vem caindo nos últimos seis meses.

 





Produtores do pré-assentamento Emiliano Zapata estão com dificuldades para divulgar a feira de orgânicos, o que prejudica a venda dos produtos. O projeto funcionava em parceria com a Incubadora de Empreendimentos Solidários (IESOL) que é ligada a Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG).

 

Katia Mara Fuji, produtora agrícola, conta que desde o fim da parceria com o programa Universidade sem Fronteiras, o movimento diminuiu, pois eram eles quem divulgavam a feira. “A parceria terminou no final do ano passado, estamos 'pedalando' desde o começo do ano”, diz Katia.

Segundo o professor Luiz Alexandre Gonçalves Cunha, coordenador da IESOL, no início do projeto, professores e funcionários receberamum e-mail com informações sobre a feira.

“Infelizmente, o financiamento ao projeto terminou e não foram abertos novos editais para se recompor as equipes. Com isso, o projeto está em fase de reestruturação e deveremos aperfeiçoar também a forma dedivulgação”. Hoje a forma de divulgação são os cartazes espalhados pelo campus Central e de Uvaranas. 

Elaine Bendix, professora da UEPG, conta que quando a feira começou todos os departamentos foram comunicados. Mas ela começou a consumir quando a feira mudou para a entrada do Campus Central (na Rua Cel. Bittencourt).

“Eu sei por que passo na frente, comecei a consumir depois que eles subiram”,conta a professora. Mas, segundo Katia, produtora do pré-assentamento Emiliano Zapata, a mudança de lugar não influenciou.


A feira acontece toda semana:

Manhãs de terça-feira: Centro de convivência, no campus de Uvaranas da UEPG

Quarta-feira:o dia todo, em frente à igreja São José

Manhã de quinta-feira: Campus Central da universidade (entrada da Rua Cel.Bittencourt).

Veja também:

13/06/2011 - Pré-assentamento Emiliano Zapata aposta na agroecologia