Protestos e marchas da Jornada Nacional de Luta pela Reforma Agrária, conhecidos como “Abril Vermelho”, garantem ao Pré-assentamento Emiliano Zapata promessa de um novo georreferenciamento pelo INCRA.

 

O integrante do MST, Celio Rodrigues, foi representante do pré-Assentamento Emiliano Zapata na Jornada de Lutas em Curitiba. Ele destaca a realidade de muitas famílias que vivem em assentamentos em todo o país. “Porque a reforma agrária, além de ser uma questão econômica, também passa pela questão social”, destaca. E também fala das reivindicações do Pré-Assentamento Emiliano Zapata na Jornada de Lutas pela Reforma Agrária.


O que foi conquistado na Jornada de Lutas e como foram as negociações?

A principal pauta que tivemos na jornada de lutas foi recolocar em nível nacional a questão da reforma agrária, que já estava bastante esquecida em nosso país. Na Jornada de Lutas nós conseguimos trazer de volta o tema da reforma agrária como um ponto a ser discutido. Para melhorar a questão da distribuição das terras em nosso país e a questão da renda das pessoas que ainda querem viver no campo e para nós que resolvemos os problemas sociais do povo, porque a reforma agrária, além de ser uma questão econômica, também passa pela questão social.


E o que muda com o georreferenciamento do Emiliano Zapata?

Em nível local a comunidade Emiliano Zapata conseguiu novamente também discutir com o INCRA a possibilidade de sermos assentados. Conseguimos com o INCRA um comprometimento para o mês de junho de realizar o projeto de georreferenciamento da nossa área para que possamos avançar na aquisição da área. Pois também houve o comprometimento do INCRA em enviar uma equipe no mês de junho para a nossa comunidade e realizar o plano de desenvolvimento do Pré - Assentamento.


Quais as reivindicações dos representantes do Paraná no circuito nacional de luta pela reforma agrária?E qual foi o cenário dos assentados do Paraná nos últimos anos?

Entre as principais pautas para os assentamentos do Paraná deixaram foi a questão econômica, que trata do endividamento das famílias assentadas e também das agroindústrias. E nós temos uma luta para que o Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES) financie os projetos de agroindústria nos assentamentos, pois temos que forçar o BNDES a financiar os projetos locais e regionais. Pedimos que o BNDES não apenas financie grandes projetos porque nós sabemos que o dinheiro muitas vezes é usado em grandes projetos do agronegócio e das grandes empresas brasileiras que hoje são muitas vezes multinacionais igual a outras empresas de países do primeiro mundo. Nós gostaríamos que o BNDES financiasse projetos em nível local que são projetos que geram empregos para a população dos municípios.

E quais foram as pautas do MST que entraram em maior número de discussão do governo?

A pauta principal foi e a questão do avanço dos assentamentos, nós estamos hoje com cerca de 180 mil famílias acampadas e ainda temos que avançar na aquisição de terras na desapropriação, porque é uma vergonha conviver em um país tão grande e tão rico com tanta terra boa e muitas famílias que vivem debaixo da lona preta no chão. Não temos problemas com falta de terra, mas nosso problema continua sendo a falta de distribuição delas.


Quais foram as lembranças e os ganhos que a Jornada de Lutas deixou com os representantes do Zapata?

Acredito que o ganho que nós tivemos com a jornada de luta para a comunidade correu na volta da Jornada, pois fizemos uma assembleia e quase 80% das famílias estiveram participando desta assembleia. Nós retomamos a discussão do nosso regimento interno da comunidade e novamente pautando sobre a agroecologia, sempre com a pauta principal do desenvolvimento da nossa comunidade. Este foi o principal avanço que tivemos graças à retomada de lutas pela Jornada. 

alt

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Reportagens relacionadas:

Após protestos MST busca audiência com a Presidente Dilma Roussefff

Como os assentamentos organizam a produção local

Ciência da agroecologia

 

Arquivo comunitário:

- Ocupação do MST reúne 500 assentados no centro de Curitiba

- Jornada de Lutas pela Reforma Agrária reúne representantes do MST do Paraná

Outras notícias:

- Reportagem realizada pelo MST sobre a Jornada de Lutas em Curitiba

- Governo do Paraná vê agroecologia como algo contrário ao interesse público

Bastidores da reportagem:

- Blog - Da rua ao Caos
- Blog - Produto do Cotidiano

 

zapata0124-04-1201

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) se reuniu semana passada em Curitiba para a Jornada de Lutas pela Reforma Agrária. Atividades são realizadas no mês de abril em memória do massacre de Eldorado dos Carajás.

emilianozapata1-27-03-12O pré-assentamento recebeu, na semana passada, 25 pesquisadores de diversas instituições de ensino superior. O objetivo é conhecer locais no Paraná que praticam agroecologia e agricultura sustentável.

O documentário “Resistência por dignidade, a trajetória do pré-assentamento Emiliano Zapata”, foi exibido pela primeira vez na tarde desta sexta-feira, dia 16, às 14h, no Barracão do Assentamento Emiliano Zapata. 

mst1-16-08-11 

Com o fim do financiamento ao projeto em parceria com a Incubadora de Empreendimentos Solidários (IESOL), produtores do pré-assentamento Emiliano Zapata têm dificuldades para divulgar a feira. A venda dos produtos vem caindo nos últimos seis meses.

 

altTodos os produtos são cultivados de acordo com os princípios da agroecologia pelos moradores do Pré-assentamento Emiliano Zapata. Os alimentos também foram vendidos em evento de extensão na UEPG.

Entidades ligadas aos Direitos Humanos, membros da sociedade civil organizada e partidos políticos se reuniram nesta segunda-feira, 15 de fevereiro, no Novo Acampamento do Movimento do Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST).

Em entrevista à equipe do Portal Comunitário, Arilson falou sobre os problemas pelos quais passam os acampados, a relação com o poder público e a importância do apoio da sociedade à causa do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST).



altProjeto em parceria da IESOL com o MST vai desenvolver uma pequena indústria de processamento mínimo no acampamento Emiliano Zapata.

Dentro de alguns meses, os agricultores irão iniciar o plantio na horta piloto, na qual grupos de assentados se revezarão no trabalho durante a primeira fase de atividades.