Além de um representante do breakdance, 17 grupos pontagrossenses de rap se apresentaram no evento. Pela grande quantidade, foi o destaque da noite.

Além de um representante do breakdance, 17 grupos pontagrossenses de rap se apresentaram no evento. Pela grande quantidade, foi o destaque da noite.

 

Lotado de pessoas que usavam boné de aba reta e roupas largas, o 13º Abril Pro Rap PG reuniu grupos de todos os cantos da cidade. A iniciativa, realizada no último sábado, dia 18, na Igreja Ministério das Gerações, no bairro Ronda, teve início durante a tarde se estendeu por toda a noite.

“Embora Ponta Grossa precise de mais eventos de hip hop, os que têm são bons”, avalia o b-boy, e também professor de dança, Raul Índio. Sempre participando de atrações da área organizadas na cidade, o dançarino relata que conheceu o breakdance, há 17 anos, pela televisão. Apaixonado, diz ainda que aprendeu sozinho o estilo.
E as portas estão abertas não apenas para os grupos mais velhos. Os mais novos também são bem-vindos. ”Outros lugares não convidam os artistas de Ponta Grossa e eles acabam não produzindo as músicas”, destaca o organizador do evento Ismael dos Santos, também conhecido por Gueg.
O organizador avalia a importância do Abril Pro Rap PG. “Não se trata apenas de destacar a quantidade de pessoas no evento. mas a qualidade do evento. E aqui vemos qualidade, o que está acontecendo é a profissionalização dos artistas de PG”, destaca Gueg.
O destaque ficou com as apresentações de cantores de rap da cidade, que foram a grande maioria. E, entre eles, estavam Crew B Boys BBC, MCs, Gueg, MLH, Smook’d, Família Nova Ment, Potencial MCs, Lincoln MC, R.E, F.D.R, Face a Face, Raperifa, Disciplina Consciente, Rapper Thaty, MC Felipe, KMC e Chapadex. Já na modalidade de breakdance se apresentou o grupo BBC.

  

O hip hop
O movimento do hip hop chegou à PG há 20 anos e tem crescido muito nos últimos 10 anos. Isso motiva a pesquisa do mestrando em Linguagem, Identidade e Subjetividade do Departamento de Letras da UEPG, Sebastião Natalio.
“Nesses eventos, dá para ver que não há mais a preocupação inicial com a letra de protesto. Atualmente, o que importa é a poesia mais elaborada”, comenta o pesquisador .
O movimento hip hop possui quatro pilares, dividido em DJ’s, rap, breakdance e o graffiti. Quase todas as modalidades estiveram presentes durante o Abril Pro Rap.

 

O Boys Break Crew, conhecido como BBC, existe desde 2002 e conta com 10 participantes. Na liderança do grupo está Raul Ìndio que dança há 17 anos.

O Boys Break Crew, conhecido como BBC, existe desde 2002 e conta com 10 participantes. Na liderança do grupo está Raul Ìndio que dança há 17 anos.