A principal atividade desenvolvida pelas mulheres nos encontros da cooperativa é a confecção dos absorventes ecologicamente corretos.  Durante a produção das peças são usados dois pedaços de algodão cru, uma tira de tecido impermeável, como nylon, e camadas de flanela de camisa ou de limpeza.

 

Leia também:

Coletivo promove atividades alternativas exclusivas para mulheres em Ponta Grossa

Por que utilizar um absorvente ecológico?

 

Ligis explica que a quantidades de tecido flanela depende do fluxo menstrual de quem utilizará o absorvente. “Recomenda-se quatro camadas do tecido para quem possui fluxo médio e de seis a oito para quem possui fluxo intenso”, explica.

 

Outros materiais necessários para a confecção do absorvente ecologicamente correto são tesoura, botões de pressão, um molde do absorvente feito em cartolina ou papel resistente, caneta marcadora, agulha e linha de costura.

 

Após serem cortadas no formato preterido, as peças de tecido são empilhadas de forma que o nylon e as flanelas fiquem na parte interior do absorvente, cobertas pelo algodão cru, que entrará em contato com a pele. As peças são então costuradas à mão pelas membras da cooperativa.

 

De acordo com as produtoras da Vovó Já Dizia, um absorvente ecológico pode durar até cinco anos se for mantido sob os cuidados necessários. Ana Carolina recomenda que se deixe o absorvente de molho em água morna. “Essa imersão pode ser feita acompanhada de ervas como alecrim, melissa e eucalipto, que possuem propriedade antibacterianas”, acrescenta.

 

Após o período de molho recomenda-se utilizar sabão de coco, neutro ou glicerinado para finalizar a higienização do absorvente devido a sua menor agressividade química. A secagem deve ser feita ao sol para evitar a proliferação de qualquer bactéria remanescente.