O Grande Auditório da UEPG Central recebeu na última quinta-feira, dia 26,, o  I Simpósio sobre violência contra a mulher: ações de enfrentamento. Organizado pelas acadêmicas do 3º ano de Serviço Social como parte de uma das disciplinas do curso, o evento contou com três palestrantes na mesa principal.

 

Integrante da comissão organizadora e estagiária do Juizado de Violência Doméstica e Familiar da Comarca de Ponta Grossa, Katriny Renosto Lazarin realizou uma fala sobre o tema do simpósio aplicado à cidade.

“Nós realizamos um mapeamento nos bairros de Ponta Grossa para descobrir quais regiões eram mais violentas, o perfil das vítimas e os tipos de violência mais frequentes. Fizemos também uma reflexão sobre como esse ambiente de agressão impacta os filhos das vítimas”, conta Katriny.

O segundo palestrante a se apresentar foi o psicólogo Luis Renato Berteli,  coordenador do projeto ‘Ser’. Destinada a homens que já foram condenados pela Lei Maria da Penha, a iniciativa é promovida em parceria entre a ONG Ministério Melhor Viver e o poder judiciário.

“O projeto funciona como parte do cumprimento da pena dos agressores enquadrados na Maria da Penha. Eles são obrigados a participar de 16 reuniões fechadas do programa, um vez por semana, para refletir sobre a violência”, conta Luis.

Mestranda em Gestão de Território pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), Mayã Campos trabalha com violência sexual contra a mulher desde a graduação. A estudante avalia o evento como uma forma de avanço nos debates sobre violência contra a mulher.

“Não posso falar pela universidade toda, mas eu vejo que alguns grupos, tanto do campus Uvaranas como do Central, têm um debate legal. O simpósio auxilia na formação dos estudantes ao trazer para discussão uma pauta tão emergencial como a violência contra as mulheres”, defende.

Além das palestras, o evento apoiado pelos Abolicionistas Veganos (AVEG) e pela Como Vovó já Dizia Cooperativa, contou com um café de abertura. Uma intérprete de libras fez a tradução simultânea durante as falas da mesa.

Arquivo Comunitário

02/10/2015 - Mesa discute cristianismo, espaço escolar, gênero e sexualidade

13/04/2015 - 4º Colóquio Mulher e Sociedade tem como tema ‘Gênero e políticas públicas’