A dona de casa Maria Helena Santos mora a duas quadras da Unidade Básica de Saúde Dr. Adilson Baggio, também no bairro Nova Rússia. Com 65 anos, a senhora lista de quais problemas sofre. “Tireóide, fibromialgia, insuficiência renal e osteoporose são alguns”, enumera.

 Maria conta que um dia sentiu dores fortes, por causa da “fibro”. Ela foi até a Unidade do bairro em que mora e não encontrou um médico de plantão para atendê-la. A dona de casa teve que ir até o Pronto Socorro, no centro da cidade, para conseguir uma consulta.

A enfermeira da UBS Adilson Baggio, Theodosia Barochok, confirma que falta um médico na equipe do Programa Saúde da Família. “Contamos com apenas um, que cobre quatro horas. Mas o correto seria um médico para trabalhar por oito horas”, informa.

De acordo com ela, a doutora que atendia antes tirou licença maternidade e ainda não foi substituída. Theodosia acredita que ela deve voltar apenas no ano que vem.  “E o médico que trabalha aqui procura não atender gestantes ou crianças porque ele não é pediatra”, relata.

A dona Maria conta que, eventualmente, agentes comunitários de saúde batem na porta de sua casa para verificar como ela está. “Eu acho muito bom”, diz. A única coisa que a senhora reclama é da falta do médico de plantão. “Eu tive condições de procurar outro lugar para ser atendida, mas e quem não tem?”, questiona.   

Veja como chegar (mapa ao lado) na UBS Adilson Baggio (ponto B), partindo da Prefeitura Municipal de Ponta Grossa (ponto A).

Reportagens relacionadas:
Em meio a falta de profissionais, Programa Saúde da Família busca abrir novas equipes na Nova Rússia
UBS na Vila Hilgemberg não possui responsável pela administração

Arquivo Comunitário:
Unidade de Saúde opera acima da capacidade no Boa Vista
Número de vilas atendidas pelo posto do Santa Maria dobra em dois anos