Enquanto para a Vila Palmeirinha a praça é revitalizada e há atividades na associação de moradores, na Vila Isabel o quadro é de precariedade. “O parquinho está mal feito e não há bancos, traves para futebol ou redes de vôlei”, afirma a presidente da associação.

 

Com o crescimento da cidade de Ponta Grossa, cada vez mais, os espaços urbanos públicos e particulares ganharam maior participação dos moradores dos bairros que buscam atividades de lazer e entretenimento dentro da própria comunidade

A Vila Palmeirinha, situada dentro do bairro Nova Rússia, possui associação de moradores há aproximadamente 40 anos. O atual presidente, Divonsir Pereira Antunes (Divo), conta que ainda há atividades para os moradores, uma sede estruturada e promoção de projetos sociais, Entre elas, as aulas de ginástica.

“Essa aula é importante para mobilizar as moradoras da Palmeirinha e além de ser uma atividade para a saúde”, afirma Divo. A atividade é gratuita e conta com cerca de 30 mulheres todas as terças e quintas, às 18h30, com a professora Débora.

Essas atividades da associação mantêm espaços de lazer e a vila possui uma praça vitalizada como um ponto de encontro e de serviços de lazer e saúde para moradores da região.

Entretanto, ao mesmo tempo que isso ocorre em Palmeirinha, outras vilas de Nova Rússia não possuem as mesmas condições.

A poucos km dali a realidade é outra. Na Vila Izabel, segundo a presidente da Associação de Moradores, Dirce do Nascimento, a única atividade que eles mantêm é um encontro da terceira idade às quintas-feiras.

De acordo com ela, a dificuldade maior está em arranjar pessoas que se voluntariem a dar aulas de ginástica, corte de cabelo e manicure, por exemplo. “Ninguém quer fazer de graça. Todos querem que seja remunerado”, afirma.

São obstáculos também a falta de apoio financeiro dos órgãos públicos e de vontade de alguns moradores. Dirce afirma que todo o dinheiro para manutenção da associação e promoção de atividades é retirado de seu próprio bolso e de outros membros da diretoria. “Demora de 6 a 8 meses para arrecadar dinheiro ou até mesmo roupas para o bazar”, conta.

Outra dificuldade da Vila Isabel continua sendo a praça na Rua Domingos Ferreira Pinto. “O parquinho está mal feito e não há bancos, traves para futebol ou redes de vôlei”, afirma Dirce. Também os próprios moradores, segundo ela, acabam jogando sujeiras no local.

Três protocolos solicitando a manutenção da praça já foram feitos no ano de 2012, e até agora, segundo a presidente da associação, a resposta é de que a Prefeitura aprovou o pedido, mas não há previsão para instalação dos equipamentos.

Moradora da vila há 50 anos, Izabel Crivoi conta que a praça já foi melhor. A última reforma que ela viu foi no começo do ano passado. “Antes tinham flores e agora tem mais mato e está mais ou menos limpa”.

Segundo o diretor de projetos e planejamento urbano, Paulo Eduardo Oliveira de Barros, não há nenhum novo planejamento estrutural de lazer para Nova Rússia. Mas garante que sempre há medidas a serem tomadas para manter os lugares públicos em bom estado.

 Arquivo Comunitário:

21/11/2010 - Vila Izabel: o planejamento urbano a partir da visão dos moradores