Não é só da paixão pelo Operário que vive o futebol de Ponta Grossa. Um dos maiores clubes da Cidade já conquistou 7 vezes a Taça da Cidade e, após 84 anos de existência, o América ainda se mantém em atividade

Foi em 1930 que um grupo de empresários de Ponta Grossa fundou o Nova Rússia Esporte Clube, no bairro de mesmo nome. O time foi crescendo aos poucos até conquistar um dos principais objetivos: o título ponta-grossense em 1933 e o vice campeonato estadual de futsal.

Contudo, dois anos depois em 11 de setembro de 1935, o clube jogou a última partida contra o Guarany, levando o fim do Nova Rússia E.C. Mas na tentativa de crescimento social, moradores do Bairro Nova Rússia, esportistas amigos, reunidos em um movimentado jogo de truco com clientes da barbearia de João Fernandes de Castro, discutiam cotidianamente futebol.

Entusiasmados com o esporte, fundaram em 1938 o América Futebol Clube que, na sequencia, se uniu com o Ponta-Grossense Futebol Clube, surgindo um novo nome: o América Ponta-Grossense Futebol Clube, entidade que ainda participa de competições da cidade sendo o maior vencedor de campeonatos Amadores de Ponta Grossa, com o primeiro título na década de 1960.

Com o tempo, os fundadores juntaram investimentos para criar espaços de diversão familiar, convidando moradores do bairro a se associarem. Nos anos 1980 já era possível desfrutar de um espaço com churrasqueiras, cursos, campeonatos internos de truco, bolão, sinuca e, mais tarde, academias.

"Aqui os associados vêm ao clube para um momento de entretenimento e lazer", fala o secretário da sede urbana, José Walter da Silva.

Nas memórias da época de ouro do clube, era o fotógrafo Domingos Silva Souza, 73 anos, que congelava momentos em imagens. Hoje, com 59 anos de profissão, Domingos relembra a década de 80 quando começou a fazer trabalho fotográfico para o América. “Aconteciam bailes e o concurso Rainha das Piscinas, que era uma tradição da época. Foi a melhor fase do América, porque a equipe ganhava o título quase todos os anos”, conta.

Atualmente o espaço ainda está ativo na Nova Rússia na Rua Coronel José Miró com cerca de 600 associados que pagam a taxa de R$ 50 por mês. Entre as atividades estão algumas festas, jantares, aulas e competições para associados, principalmente, moradores do bairro, que vêem o local com mais frequência.

A aposentada Denise Cardozo, 51, também lembra como o clube participou ativamente da tradição familiar. Associada há mais de 30 anos, desde os seus 14 anos de idade, quando seus pais também eram sócios, Denise defende que o espaço é único. “Para mim, é um clube de respeito e de família. Meu marido joga bola e sempre quando posso, levo meus filhos”, diz.