novarussia1-30-08-11O programa Sanduíche Popular ganha um novo local: a Praça Getúlio Vargas, localizada no bairro Nova Rússia. O Sanduíche da Prefeitura iniciou no local no último dia 17 e pretende trocar cerca de 400 lanches por dia.

No bairro Nova Rússia, há duas equipes de PSF (Programa de Saúde da Família). Elas trabalham em um espaço limitado, compreendendo apenas as vilas Cristina, Hilgemberg, Santo Antônio, Jardim Maracanã e Parque Auto Estrada. A diferença entre o PSF e a Unidade Básica de Saúde é que a Unidade atende toda a população, sem delimitar por área.

“Não faltam servidores nessas equipes. As equipes de PSF estão completas para atender a demanda. Não vejo problema, não há falta de profissionais”, declara o diretor do PSF de Ponta Grossa, Antonio Arinaldo.

No entanto, ele afirma que a dificuldade é que áreas como Parque Auto Estrada e Jardim Maracanã saem da abrangência do PSF e também são atendidos. “Há um ultrapasse do limite de abrangência, que é de 4500 pessoas. O problema é que com o surgimento de novos núcleos, o número de pessoas cresce constantemente”.

O sistema de PSF da cidade é seguido de acordo com o que determina a Portaria 648 do Ministério da Saúde, como garante o diretor. Por exemplo: é a portaria que determina que cada PSF deve possuir um médico, um enfermeiro, um técnico de enfermagem e cinco ACS (Agentes Comunitárias de Saúde).

Ele explica que contratar mais um profissional, como um médico, em algum posto de saúde, traz implicações em toda infraestrutura do local. “Tem postos que não comportam mais de um médico, mais de uma equipe de PSF, quando uma nova equipe se forma é analisada a infraestrutura local, além disso, o programa sempre tem que ser direcionado”.

Arinaldo também afirma que as ACS estão equivocadas ao dizerem que não cabe a elas desempenhar o papel de auxiliar administrativo, já que são os agentes que realizam todo o mapeamento e cadastro da população do bairro.                

O Programa Saúde da Família é o mais viável porque trabalha com a localidade e busca um acompanhamento mais próximo e regular. Além disso, trabalha com prevenção, como, por exemplo, indivíduos com diabetes, hipertensão, gestantes, entre outros, garante Arinaldo.
 
 
EDITORIAL: Calcanhar de Aquiles da nação

Bloco anterior: Agentes de saúde desempenham função administrativa

novarussia1-21-07-11Falta de profissionais nos postos de saúde é a principal reclamação dos moradores do bairro Nova Rússia. Os servidores reconhecem que as equipes não são suficientes. Para o presidente do Conselho Municipal de Saúde, a comunidade deve participar mais.

 

EDITORIAL: Calcanhar de Aquiles da nação

Reportagem em áudio: {audio}images/audio/NovaRussia-21-07-11.mp3{/audio}

Saúde deve ser discutida com a comunidade, diz presidente do Conselho

Agentes de saúde desempenham função administrativa

“Não há falta de profissionais”, afirma diretor do PSF

 

Ponta Grossa têm mais de 500 quilômetros de ruas não pavimentadas. Na Vila Santo Antônio, bairro Nova Rússia, essa realidade é bem presente. Os moradores da Rua Cafeara enfrentam muitas dificuldades, principalmente em época de chuvas.

Cascalhamento de ruas não soluciona todos os problemas do bairro

Secretário defende ações da Prefeitura sobre a situação da Cafeara

Manutenção constante poderia melhorar as condições dos moradores

EDITORIAL: Afinal, a culpa é de quem?

esplanada4-19-06-11Em entrevista ao Portal Comunitário no mês de março, o prefeito Pedro Wosgrau Filho prometeu que, até o fim de abril, as obras de um novo Centro de Atenção à Saúde (CAS) começariam a ser realizadas no Parque Nossa Senhora das Graças, para diminuir a lotação de atendimento no Jardim Esplanada. No entanto, as obras ainda não foram iniciadas.

O prefeito alegou à época que, se dependesse dele, valeria mais a pena construir CAS’s em lugar das UBS. Em contrapartida, Patrícia Guillen, enfermeira na Unidade do Jardim Esplanada e responsável pela equipe que atende a população do Parque Nossa Senhora das Graças, defende o modelo do Programa Saúde da Família (PSF) para as UBS.

“Acredito que o melhor é estruturar melhor os PSF’s em vez de apostar apenas em CAS. Porque o PSF é prevenção e trabalhar com prevenção é o caminho”, alega.

A enfermeira pontua que o programa do PSF, criado durante o mandato do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, necessita ser reestruturado para atender às demandas atuais. “Cobrir uma cidade grande como Ponta Grossa é uma caminhada longa. A cidade está crescendo muito e é preciso remapear os lugares para definir bem a cobertura do PSF”.

Patrícia conta ainda que o agendamento de consultas, que foi estabelecido no início do mês de maio, diminuirá consideravelmente as filas, e que tal implantação só não aconteceu antes por conta da resistência de alguns médicos.

Silvia de Jesus Rocha, ACS no Parque Nossa Senhora das Graças, diz que cerca de 100 pessoas são atendidas por dia na UBS do Esplanada. Para ela, a população devia lutar por mais uma UBS com atendimento PSF como a do Esplanada no Parque Nossa Senhora das Graças em vez de um CAS.

“Um CAS, que não faz encaminhamentos, mas só atende emergências, vai fazer com que a pessoa volte para a Unidade de Saúde, o que não resolve os problemas. Precisamos ainda de pelo menos mais uma equipe PSF para o Esplanada e outra para o Parque”.
 
Próximo bloco: Falta de envolvimento da comunidade contribui para permanência de problemas

Bloco anterior: Número elevado de usuários da unidade gera problemas no atendimento