Segundo o Ministério da Saúde, a cada 3.500 habitantes deve haver uma Unidade Básica de Saúde. Mas aproximadamente 19 mil pessoas recorrem à Unidade de Saúde Dr. Adan Polan Kossobudzki da Palmeirinha, que conta com apenas duas equipes do Programa Saúde da Família. As reclamações da população sobre as dificuldades de atendimento são recorrentes.

A vila Izabel surgiu sem planejamento urbano da Prefeitura. Pelo contrário, a ocupação do espaço se deu a partir de loteamento de terras particulares. Mesmo com uma série de problemas de infraestrutura, a vila conseguiu ter algumas condições de moradia, como escola, associação de moradores, campo de futebol e asfalto, tudo uma conquista dos moradores com o poder público. Apesar disso, algumas questões como arroio poluído, ponte de madeira precária e a falta de posto de saúde na vila são problemas que ainda persistem à espera de atenção do governo municipal.

Saiba mais sobre o planejamento urbano
Vila Izabel é um exemplo da falta de planejamento urbano do bairro Nova Rússia
Passagem por ponte mal construída põe em risco moradores

Todas as quintas-feiras, na Vila Isabel, acontece o almoço que reúne os moradores da comunidade. Semanalmente, há atividades como tricô e crochê para os idosos. Porém, algumas dificuldades são apontadas pelos moradores. A falta de comida para realizar esses encontros é uma delas, mas a mobilização de alguns garante a manutenção dos almoços na comunidade.

altO Programa Nacional de Inclusão de Jovens (ProJovem) tem, desde 2008, abordado temas como cidadania, direitos humanos e mundo do trabalho. No  Jardim Maracanã,  os encontros dos jovens acontecem na sede da Associação de Moradores. Através de atividades como feira de profissões, estagiários auxiliam os participantes em aulas sócio-educativas visando a dar oportunidades aos adolescentes de 15 a 17 anos.

alt Em Ponta Grossa, a única instituição de ensino e suporte para pessoas com deficiência mental com grau severo localiza-se no Jardim Maracanã. A escola conta com mais de 60 alunos matriculados de toda a região. Apesar das doações e repasses dos governos municipal e estadual, ainda há falta de recursos, pois além da escola, existem as casas-lares, que abrigam crianças e adolescentes órfãos com deficiências física e mental.