A instituição atende crianças em situação de risco, com idade entre 0 a 6 anos. Foi criada em 31 de outubro de 2005, como uma iniciativa da Vara da Infância e da Juventude da Comarca de Ponta Grossa, em parceria com a APAM - Associação de Proteção à Menina.

O projeto se consolidou a partir da necessidade, de acolher crianças que passam por dificuldades familiares. Segundo a coordenadora da instituição, Denise Leifield, são inúmeros os motivos pelos quais as crianças permanecem na casa.

“Elas chegam via Conselho Tutelar, por motivos pessoais e sociais, como negligência dos pais e abuso sexual, por exemplo. E ficam no Núcleo enquanto a situação deles está em processo”.

São atendidas em torno de 22 crianças, que são separadas em duas casas lares, cada uma com uma mãe social. Como explica Denise, a mãe social assume o papel de mãe das crianças, fazendo a comida, levando ao médico e à escola e buscando “moldar o caráter” das crianças da melhor forma possível.

Denise conta que, até o fim do ano, a capacidade de atendimento do Núcleo irá dobrar.  “Com o fechamento da Aldeia, iremos acolher em torno de mais 20 crianças. Precisamos arrecadar fundos, pois iremos dobrar o número de funcionários também”.

A instituição também conta com uma verba da Fundação Proamor, mas a mesma não supre todas as necessidades.

Além disso, será necessário mobiliar as duas casas lares para receber as crianças. Para isso, estão sendo promovidas tardes festivas e bazares. As doações feitas por amigos são outra forma de arrecadação para que a obra seja concluída o quanto antes.

A assistente social Camila Sviech informa que o próximo evento será no sábado, dia 31:
“Iremos fazer um café caseiro, para conseguirmos terminar as outras duas casas lares”. O café acontece no sábado, dia 31 de maio a partir das 14h com convites vendidos a R$25.

Endereço:
Rua Leopoldo Guimaraes da Cunha nº 1553
Mais informações, pelo telefone 3087- 0958